EMB-110 Bandeirante | FAB SC-95B

SC-95 Bandeirante | FAB

Este é o primeiro avião da Embraer. O EMB-110 Bandeirante é um avião turboélice destinado ao uso civil e militar, com capacidade para até 21 passageiros, desenvolvido e fabricado no Brasil pela Empresa Brasileira de Aeronáutica, a Embraer, criada no final da década de 60 pelo governo brasileiro, que incentivou a empresa como ferramenta de expansão da indústria nacional. O Bandeirante surgiu para preencher a lacuna de uma aeronave de baixo custo operacional e capaz de ligar regiões remotas do Brasil, com pouca infraestrutura.

Coube a uma equipe do Centro Técnico Aeroespacial, liderada inicialmente pelo projetista francês Max Holste, com a supervisão do engenheiro aeronáutico Ozires Silva, a missão de desenvolver o produto. A fase do projeto demorou três anos até o primeiro voo, em 22 de outubro de 1968. Em maio de 1971 foi iniciada a produção em série do EMB-110, com a primeira entrega em 09.03.1973 para a Força Aérea Brasileira, que encomendou oitenta unidades.

A aeronave ainda foi vendida para diversos países. De um total de 498 aviões fabricados, 245 foram para o exterior, incluindo forças armadas. Utilizado para o transporte de passageiros, carga, busca e salvamento (SAR), reconhecimento fotográfico, originou também uma versão de patrulha marítima, o Bandeirante Patrulha, apelidado Bandeirulha (EMB-111).

Este kit representa um EMB-110P1SAR, versão SAR derivada do EMB-110P1 (K) com acomodações para seis macas e peso máximo de 6.000 kg. Sua designação na Força Aérea Brasileira é de SC-95B. OEMB-110P1 (K) é a versão de transporte militar, com capacidade para 1.650 kg entregue a partir de 05.1977, equipado com motores Pratt & Whitney Canada PT6A-34 de 750HP, deriva ventral, comprimento da fuselagem de 14,60 m, porta de carga traseira e porta extra de passageiros/tripulação, conhecido como C-95A.

Entre 1981 e 1982 foram entregues à FAB cinco exemplares da versão EMB-110P1K SAR, destinada à realização de missões de busca-e-salvamento. Essas aeronaves, designadas como SC-95B e matriculadas FAB 6542 a FAB 6546, substituíram os Grumman SA-16 Albatross no 2º/10º Grupo de Aviação.

Os SC-95B são equipados internamente para evacuação aeromédica, capazes de transportar até seis feridos a bordo, em macas; botes salva-vidas e paramédicos podem ser lançados de pára-quedas pela porta traseira. Duas largas janelas de observação, ovaladas, em bolha, foram instaladas na parte traseira da fuselagem. O kit reproduz o FAB 6546, o último dos modelos SC-95B, serial 110374.

Para saber mais sobre o EMB-100 bandeirante na Força Aérea Brasileira (FAB), clique AQUI para ir ao excelente site do meu amigo e historiador Rudnei Cunha.

O kits é um modelo em resina e trens em metal com comprimento aproximado de 10,5cm escala 1/144. Por se tratar de um kit muito pequeno, requer cuidados e é indicado para modelistas com experiência. Modelo Duarte Models DA 144-05 que você encontra no Mercado Livre.

SC-95 Bandeirante | FAB

SC-95 Bandeirante | FAB

SC-95 Bandeirante | FAB

SC-95 Bandeirante | FAB

Aeronave:  Embraer EMB-110 (SC-95B) Bandeirante
Operador & Registro: FAB | 6546
Kit: Duarte
Escala: 1/144
Número Hangar: SR00754

Vickers Viscount SRS.700 | FAB

Kit 1/144 S&M Models, custom decals. O kit representa o Viscount VC-90, registro 2101, serial number 345, modelo 789D, recebido novo em 23.12.1957. A aeronave fez seu 1º vôo em 01.12.1957 e encontra-se preservado no Museu Aeroespacial no Campo dos Afonsos. Rio de Janeiro.

O Vickers Viscount FAB VC 90 foi o segundo avião presidencial do governo brasileiro. Sua aquisição foi feita em 1954, da Vickers-Armstrong para atender o presidente Juscelino Kubitschek e substituir o avião anterior VC 66, por ser limitado em autonomia e ter pouco conforto. Foram encomendados 2 unidades, que ficaram designados como VC 90 2100 e VC 90 2101. Sua configuração contava com 71 assentos e 4 motores Rolls-Royce Dart.

Este avião foi bastante usado pelo presidente Juscelino Kubitschek para acompanhar a construção da nova capital Brasília. Em 1964 foram tirados de serviço e em 1968 aposentados, pois não voavam mais como avião presidencial. O modelo 2101 encontra-se hoje no Museu Aeroespacial no Rio de Janeiro. O modelo 2100, por sua vez, foi comprado em um leilão da massa falida da VASP pela prefeitura do município paulista de Araçariguama, por R$ 80 mil, e foi restaurado a um custo de R$ 20 mil.

Aeronave: Vickers Viscount SRS.700
Operador & Registro: Força Aérea Brasileira | FAB2101 | VC-90
Kit: S&M Models
Escala: 1/144
Número Hangar: SR01441

Douglas DC-6B (C-118) | FAB

Kit Minicraft, escala 1/144 de um dos cinco Douglas DC-6 utilizados pela FAB, todos ex-Varig, matriculados de 2412 a 2416, este representado pelo modelo. O 2416 (serial 43824) foi entregue novo para a Northeast Orient (N91304), foi vendido para a Panair (PP-YSN) e operou na Varig (com o mesmo prefixo) até ser vendido à FAB. Após a passagem pela força brasileira, foi vendido à Força Aérea do Paraguai (FAP), recebendo o registro T-89. Os C-118 eram usados no 2º/2º Grupo de Transporte em Manaus, no Amazonas, onde o 2414 foi perdido em acidente no dia 28.04.71.

O C-118 FAB2413 foi canibalizado em 1973 para fornecer peças aos demais que foram vendidos em 1975, fechando o ciclo de operações do modelo. As aeronaves, que foram repassadas para FAB em 1968, atuaram muito no Projeto “RONDON”, levando Universitários do projeto para à Região Amazônica.

Os Douglas DC-6 de primeira versão de produção (os “DC-6 puros”) foram produzidos até 1951, num total de 175 unidades. Destes, nenhum chegou a operar nas companhias brasileiras. Em 1948, entretanto, a Douglas começara a estudar a possibilidade de uma versão ampliada, com maior volume de cabine, carga útil e peso operacional, aproveitando para isso a disponibilidade dos novos e excelentes motores Pratt & Whitney Doublé Wasp C 16, de 2.400 hp. Que foram oferecidos com um sistema de injeção de água/metanol, para uso na decolagem. Permitindo um incremento sensível na potência.

Foi feito um novo alongamento da fuselagem, de 1,52 m, e a capacidade de combustível também foi ampliada, passando de 16.125 para 20.915 litros. Esta nova geração do DC-6 voou em 1949 e foi oferecida em duas variantes- DC-6 A, otimizado para carga (com assoalho reforçado e duas grandes portas do lado esquerdo, uma antes e outra atrás da asa), e o DC-6B, especifico para o transporte de passageiros. Ao todo foram produzidos 288 DC-6B, com o último sendo entregue em 10 de fevereiro de 1959, exatamente para a companhia brasileira Lóide Aéreo Nacional – cujos quatro DC-6 A, foram, assim, os últimos DC-6 a saírem das linhas de montagem da Douglas.

Abaixo, dados da vida operacional deste DC-6:

43824 | 299 | N91304 | Western AL | 15.12.52 | DC-6B

Northwest Orient AL 59
International Air Svcs 25.08.61
REAL SA NTU
PP-YSN VARIG 08.61
2416 Brasilian Air Force 68
T-89 Paraguan AF 06.75
4002 Paraguan AF rr 80

Aeronave: Douglas DC-6B 
Operador & Registro: Força Aérea Brasileira | FAB2413 | C-118
Kit: Minicraft
Escala: 1/144
Número Hangar: SR00960

Lockheed SC-130E Hercules | FAB

Kit Minicraft, com decais customizados para a Força Aérea Brasileira, FAB, na versão SAR (Search & Rescue) que operou no Recife (Pernambuco), entre oa anos de 1971 a 1985.

Aeronave: Lockheed SC-130E Hercules
Operador & Registro: Força Aérea Brasileira | FAB2409
Kit: Minicraft
Escala: 1/144
Número Hangar: SR01469

Embraer T-27 Tucano | EDA

Mais um Embraer EMB-312 Tucano, um T-27 da FAB nas cores da Esquadrilha da Fumaça (EDA), usadas quando da chegada do T-27 na Esquadrilha da Fumaça, ainda nos Anos 80. A primeira demonstração aérea com estas cores e o Tucano aconteceu no dia 8 de dezembro de 1983, nas festividades de formatura dos aspirantes, na Academia da Força Aérea. Esta versão vermelha operou entre 1983 e 2000. Modelo Miniscala na 1/48.

Aeronave: Embraer EMB-312 Tucano
Operador & Registro: FAB |  EDA
Kit: Miniscala
Escala: 1/48
Número Hangar: SR01326