L-1011 Tristar | Delta

O Lockheed L-1011 Tristar, também conhecido como L-1011, foi o terceiro avião a jato de passageiros do tipo widebody a entrar em operações. Foi precedido pelos modelos Boeing 747 e o McDonnell Douglas DC-10. Assim como o DC-10, o TriStar é um avião trijato. Entre 1968 e 1984, a Lockheed produziu um total de 250 TriStars. Devido ao baixo número de vendas, após o encerramento do projeto L-1011, a Lockheed se retirou do mercado de aviões comerciais.

A Delta Air Lines foi a empresa que operou o maior número de L-1011 Tristar, 54 ao todo. A Cathay Pacific eventualmente se tornou a maior empresa não americana desta aeronave após adquirir muitos dos aviões da Eastern Airlines após a falência da companhia, operando assim, um total de 21 aeronaves.

Este, em particular é famoso… Na tarde abafada e chuvosa de 21 de agosto de 1985, o N726DA caiu segundos antes do pouso em Dallas. Era o voo 191 e ele mudaria a história da aviação. O grande trijato que até então sofrera apenas dois acidentes fatais em quase 14 anos de carreira, deixou poucos sobreviventes no Texas. Curiosamente, nem este e nem os dois acidentes anteriores foram ocasionados por falhas da aeronave.

De fato, naquela tarde em Dallas, o Tristar não caiu, mas foi derrubado, varrido dos céus por uma força sobre-humana. O que o derrubou ganhou o nome de Windshear (literalmente, Tesouras de Vento), um fenômeno que derrubava aviões com frequência mas que, com os avanços da investigação deste acidente, foi praticamente eliminado como risco no mundo todo. Leia mais nos links abaixo. Em breve teremos uma matéria própria sobre o assunto.

O kit é um Lockheed L-1011 Tristar da Airfix na 1/144, com marcas Delta Air Lines by Mark Borer. Os detalhes na fuselagem são feitos por mim e, os principais, Nazca. As antenas serão colocadas depois da minha mudança para o novo apartamento. Achei legal a foto dos meus dois Tristar, Eastern e Delta juntos.

Ficha Técnica:

Aeronave:  Lockheed Tristar
Registro: Delta Air Lines – N726DA
Kit: Airfix
Escala: 1/144
Número Hangar: SR01017

Boeing 787 | All Nippon Airways

Aeronave de pré-produção (ZA101), conforme os aviões ficavam entre 2009 e 2010, com cobertura de janelas e sem motores, com pesos no seu lugar para manter o centro de gravidade. Alguns ficavam todo brancos, outros tinha pinturas completas e alguns, umas poucas indicações de pintura do usuário final. Alguns tinham cobertura de plástico nos pilones e outros não. Este ANA é um kit ZVEZDA na escala 1/144, do qual removi os motores. Decais em parte Revell (asas) e, em parte, Gio (ANA colors).

O Boeing 787 Dreamliner é o mais recente avião comercial da Boeing. Foi apresentado à imprensa, em Everett, WA, em 8 de julho de 2007, doze anos depois do 777. O primeiro foi entregue a ANA – All Nippon Airways em 28 de setembro de 2011. A empresa comprou 50 unidades do avião. No dia de seu lançamento, mais de 670 unidades já haviam sido encomendadas por 48 companhias aéreas internacionais, fazendo dele o maior sucesso comercial da indústria aeronáutica mundial em todos os tempos.

A aeronave é capaz de transportar de 200 a 350 passageiros, dependendo do modelo e da configuração do interior da aeronave. É o primeiro avião comercial a ser fabricado primariamente com material composto e fibra de carbono. Foi feito para substituir os modelos 767 e 757. Planejado para ser uma aeronave de longo alcance, poderá fazer voos nonstop entre cidades muito distantes, que nunca tiveram ligação direta. O alcance médio do Boeing 787 é de 6,5 mil quilômetros até 15 mil quilômetros.

O Boeing 787 é produzido com 50% de matérias compostos, 20% de alumínio, 15% de titânio, 10% de aço e 5 % de outros materiais. O Boeing 777 possui somente 12% de materiais compostos e 50% de alumínio. Outro fator interessante é que ele autodetecta erros e repassa imediatamente para o solo. Assim, quando o avião pousar, a equipe de manutenção saberá o que fazer nele. Possui três motorizações (RR e GE), com alcance variando entre 4.650 km (787-3) até 15.750 km (787-8), o primeiro desenvolvido para o mercado japonês substituindo os A300-600R, 767-200 e 300 e até os 777-200 em algumas rotas.

Seu custo por milha é 12% inferior que aviões do mesmo porte e graças à sua estrutura de materiais compostos, ele pesa apenas 130 toneladas, contra 180 dos A330, que é considerado um concorrente direto. Além disso, o consumo de combustível do 787 é 20% menor que seus mais modernos concorrentes, o que tem alterado drasticamente o interesse de possíveis compradores de aviões da Airbus.

Um Boeing 787 necessitará fazer uma revisão completa a cada doze anos (um Boeing 767 precisa fazer uma revisão completa a cada seis anos). Os bagageiros internos tem capacidade 30% maior que os atuais modelos, e ele não tem cortinas nas janelas, e sim um sistema que permite que o vidro fique escuro. Também é um avião paperless, eliminando a papelada tanto no projeto quanto no voo, utilizando o Eletronic Flight Bag da Jeppesen.

O 787 foi o primeiro avião desenvolvido pós-11 de setembro, daí sua necessidade de redução de custos, ser ecologicamente limpo e versátil. Um Boeing 787 vai levar cerca de 3 dias para ser produzido. Essa experiência de montar os aviões tão rapidamente foi testado pela Boeing primeiramente nos modelos 767 e foi adaptado do sistema japonês de montagem de carros.

Enfim, se der certo, será realmente uma aeronave que mudará a aviação. Este kit ganhou o segundo lugar (categoria Airliners) no Open de Plastimodelismo do IPMS de São José dos Campos, São Paulo, em abril de 2012.

Ficha Técnica:

Aeronave:  Boeing 787-8
Registro: All Nippon Airways (ANA) – JA801A
Kit: Zvezda
Escala: 1/144
Número Hangar: SR01199