Douglas DC-7C | KLM

dc-7c seven seas | KLM

O Douglas DC-7 tinha o nome de Seven Seas em razão de seu grande alcance, capaz de cruzar Oceanos. Ele foi um avião quadrimotor a pistão, fabricado na década de 1950 pela companhia norte-americana Douglas em Santa Monica, California em um design que sucedeu o DC-6B. Foi o último grande avião quadrimotor a pistão fabricado pela Douglas, como também um dos primeiros aviões capaz de cruzar o Atlântico Norte sem escalas. Seu primeiro voo aconteceu no dia 18.05.1953.

O modelo surgiu quando a American Airlines solicitou junto ao fabricante um avião com maior capacidade e autonomia que o DC-6. No entanto, curiosamente, o primeiro modelo foi entregue para a Pan American. Trata-se de uma evolução mista entre o Douglas DC-4 e Douglas DC-6. As asas derivavam do DC-4, na mesma envergadura, com uma fuselagem bem maior e motores Wright Turbo Compound RR-3350, que lhe garantiam uma velocidade de Cruzeiro de 550 km/h e um alcance de 5.810 km, com 100 passageiros.

Com 338 unidades fabricadas até 1958, o DC-7 foi um desbravador voando em rotas entre os Estados Unidos e Europa e Ásia, mas logo ofuscado pela chegada dos jatos, o Comet, Caravelle, Boeing 707 e DC-8. Os modelos novos foram encomendados e entregues para: Alitalia, American Airlines, BOAC, Braniff Airways, Caledonian Airways, Delta Air Lines, Eastern Air Lines, Japan Airlines, KLM, Mexicana de Aviación, National Airlines, Northwest Orient, Panair do Brasil, Pan American World Airways, Sabena, SAS, South African Airways, Swissair, Turkish Airlines, Transports Aériens Intercontinentaux e United Airlines.

Entre 1957 e 1965 o tipo foi operado no Brasil pela Panair, num total de 6 unidades, 2 recebidos novos da fábrica. Sofre um um total de 79 acidentes e incidentes em suas muitas décadas de operação (1953-1988), com um total de 714 fatalidades.  No Brasil, em 01.11.1961, a aeronave DC-7C prefixo PP-PDO estava voando da Ilha do Sal para Recife quando caiu em uma colina a 2,7 km do aeroporto, em acidente atribuído a um erro do piloto, que custou a vida de 88 pessoas.

O Douglas DC-7C Seven Seas prefixo PH-DSE (serial 45184, line #816) foi operado pela empresa Holandesa KLM, que possuía um total de 15 modelos do tipo, sendo vendido em 11.12.1969 como cargueiro para a Irlandesa Air Turas (EI-ATT) e, depois, em 08.1971 para a Affretair (TR-LQC) do Gabão. Foi retirado de uso e visto pela última vez em Salisbury, Rhodesia, em 1973.

Saiba mais sobre o DC-7 clicando AQUI.

O modelo mostrado neste post é um Revell, na escala 1/122, lançado pela primeira vez em 1955 com a pintura da American Airlines, kit H-219-98. Foi lançado sucessivas vezes até 2005 pela Revell, além de outras empresas, como a Lodela no México e a Kikoler-Revell no Brasil. É um modelo extremamente simples, mas que fica muito bonito montado, como se pode ver. Foi montado com a pintura de entrega do PH-DSE em 31.05.1957.

dc-7c seven seas | KLM

dc-7c seven seas | KLM

dc-7c seven seas | KLM

Aeronave:  Douglas DC-7 Seven Seas
Operador & Registro: KLM | PH-DSE
Kit: Revell
Escala: 1/122
Número Hangar: SR01593

Deixe uma resposta