O Plastimodelismo

Plastimodelismo

Em resumo, o Plastimodelismo é um hobby que consiste em construir miniaturas em escala reduzida, fabricadas na forma de kits plásticos, com o objetivo de exposição estática. Os objetos são retratados com precisão e escala, permitindo-se a existência de uma réplica o mais próxima possível do objeto real. Após a etapa inicial, que é a de fazer exatamente aquilo que vem na caixa, o modelista começa a adicionar detalhes e modificar os kits. É uma excelente terapia e um passa tempo gratificante.

TEMAS

Os temas mais comuns no Plastimodelismo são aviõesnaviosautomóveismotosveículos blindados como tanques. A maioria dos modelos retratam veículos militares, devido à grande variedade de forma e contexto histórico comparado aos veículos civis e também pelo fascínio que máquinas militares exercem sobre muitas pessoas, os aspectos de engenharia envolvidos nos diversos modelos de transportes e o estado da arte do design. Outros assuntos incluem ficção científica, espaçonaves, construções, personagens de fantasia e figuras humanas. Alguns fabricantes e modelistas se dedicam a montagens mais completas envolvendo vários temas em conjunto, em forma de maquetes. São os denominados dioramas. Podem ser inspirados em cenas de guerras, batalhas, cenas do cotidiano, detalhes de aeroportos, o que a imaginação do modelista quiser. Para a construção dos dioramas utilizam-se diversos materiais, como resina, mandeira, isopor, placas e tubos de plástico, areia, terra, serragem entre outros.

INFORMAÇÕES BÁSICAS

A maioria dos kits são fabricados pelo processo de injeção de termoplásticos usando como matéria prima o poliestireno. Os kits são, como visto na imagem acima, peças plásticas em uma estrutura, que precisam ser destacadas, encaixadas e coladas para formar o modelo. Sempre são acompanhados de um manual com instruções de montagem e pintura e folhas de decal (também conhecidos como decalque) de insígnias para veículos e aviões militares e detalhes de pintura e logotipos para veículos e aviões civis. As peças são unidas com cola específica para esse material, que pode ser líquida ou em forma de gel.

Para a pintura são usadas tintas também específicas para plastimodelismo. Outros tipos de tinta podem ser usadas, desde que se tome cuidado com o tipo de solvente e sua quantidade na fórmula, para não atacar (ou até dissolver) o poliestireno. Podem ser encontradas tintas específicas para plastimodelismo solúveis tanto em água quanto por solventes químicos. Para um bom acabamento, em especial em kits de aviões comerciais, há quem use (como eu, em muitos casos) tintas automotivas. Para a aplicação são usados pincéis de cerdas super macias e/ou aerógrafo, um tipo de mini pistola de pintura. A escolha depende do tipo de pintura a ser feita.

Assim, detalhes de pintura como logotipos de empresas aéreas, faixas, insígnias em aviões militares e patrocinadores de carros de corrida geralmente acompanham os kits na forma de decais. Há, hoje em dia, diversas empresas e pessoas especializadas em fornecer decais separados dos kits, para que um mesmo avião, por exemplo, possa ser feito nas cores de inúmeras empresas, além da opção da caixa do kit. Os melhores decais são feitos em serigrafia (ou silk), mas há muitos que fazem decais em impressoras de jato de tinta e laser. Até mesmo em casa, com uma folha especial e um impressora destas é possível fazer-se decais personalizados hoje em dia.

Há também fabricantes especializados de acessórios para kits que fornecem peças para alteração dos kits (ou simples detalhamento) em diversos materiais, como resina e até metal (em geral latão), estes normalmente feitos pelo processo de foto-corrosão (como são feitas as placas de circuito impresso), tudo visando trazer maior nível de detalhe para os modelos que, conforme as habilidades do modelista, podem atingir um realismo realmente impressionante.

Há também o uso de técnicas e materiais para envelhecimento que visam contribuir para maior realismo. Detalhes como fuligem, ferrugem, lama, neve e outros podem ser feitos com o uso de diversos materiais simples do dia-a-dia e tintas de uso geral e escolar, como a guache. Por último, há que dizer que existem também kits chamados snap (encaixe) ou die-cast, que não necessitam de cola para a união das peças e, em geral, vêm pintados de fábrica e possuem marcações de simples aplicação. No passado não eram considerados material sério para os modelistas pela falta de detalhamento, mas há uma nova geração de kits nesta categoria que mudou essa visão. Eu mesmo tenho diversos modelos em dia-cast na escala 1/200, que com a adição de detalhes e pinturas adicionais, tornam-se perfeitas réplicas.

ESCALAS

Quase todos os kits são fabricados obedecendo a uma escala. Cada tema (aviação civil, militar e outras) tem uma (ou mais) escala de maior aceitação. Quanto maior a escala, mais detalhados são os kits. As escalas são dimensionadas de forma que os modelos possam ser colecionáveis. Eis as seguintes escalas mais comuns por temas:

  • Aeronaves: 1/18, 1/24, 1/32, 1/48, 1/72, 1/144 e 1/200
  • Veículos militares: 1/35, 1/48, 1/72 e 1/76
  • Autos: 1/12, 1/16, 1/18, 1/24, 1/25, 1/32, 1/35 e 1/43
  • Barcos: 1/96, 1/350, 1/450 e 1/700

Escalas Modelismo

No entanto, os kits nem sempre são fiéis à sua escala nominal. Há kits de automóveis na escala 1/25 que são maiores que outros na 1/24, por exemplo. Em geral, essa discordância é decorrente de erros de projeto. Na aviação, que é a minha área, as escalas mais comuns são 1/18, 1/32, 1/48, 1/72 e 1/144 na aviação militar e 1/72, 1/144 e 1/200 na aviação comercial, eis que os jatos comerciais são muito grandes e, em escalas diferentes destas, seriam objetos muito grandes, o que lhes retiraria a condição de colecionáveis.

HISTÓRIA

Os primeiros kits plásticos foram fabricados pela empresa britânica Frog lá pelo meio da década de 30. Fabricantes americanos como HawkRenwal Lindberg ascenderam no mercado na década seguinte (anos 40), assim como nos anos 50 vieram as marcas também americanas RevellAMTMonogram, assim como a francesa Heller e a inglesa Airfix na Europa. A partir da década 70, fabricantes japoneses como TamiyaHasegawa dominaram o mercado e se tornaram sinônimo de tecnologia e qualidade. Dos anos 90 para cá, outras empresas do leste europeuRússiaChinaCoréia do Sul têm ganhado notoriedade no mercado, tais como a DMLAFV ClubTrumpeter e mesmo empresas como a americana Minicraft que manufatura seus kits na China.

Em breve continuamos a história desse hobby com mais detalhes.

Última atualização desta seção: 25.04.2011

 

Deixe uma resposta