Comet IA | BOAC

Hangar de Plástico | Comet 1 | G-ALYP

O De Havilland Comet, ou simplesmente Comet, de origem inglesa, foi o primeiro avião comercial propulsionado por motores a jato fabricado no mundo. Com quatro reatores na raiz de suas asas, o Comet começou a operar em 1952 pela companhia aérea inglesa BOAC. Foi um grande sucesso, pois voava com o dobro da velocidade dos seus concorrentes da época, porém, com um enorme consumo de combustível, suas rotas eram curtas.

Porém, em 2 de maio de 1953, exatamente um ano após o início dos vôos regulares com os Comet, a aeronave da BOAC de prefixo G-ALYV, decolou de Calcutá, Índia e explodiu, sem aviso, sobre o mar. Após breve investigação, os Comets continuaram a voar e de fato o fizeram, sem maiores complicações por oito meses, até as 10h30 da manhã do dia 10 de janeiro de 1954, inesperadamente, o Comet G-ALYP, que havia decolado de Roma se desintegrou enquanto sobrevoava o mar, perto da Ilha de Elba, matando seus trinta e cinco ocupantes.

Os voos foram suspensos por algum tempo, mas assim que foram retomados, outra aeronave se despedaçou em pleno ar, novamente matando todos os ocupantes. Os navios de salvamento da Marinha Real Britânica foram enviados ao local do primeiro acidente para resgatar as peças do avião que estavam submersas, já que o segundo acidente aconteceu sobre águas profundas, resgatando dos terços das peças. Os destroços foram, então, enviados a Farnborough, Inglaterra onde o Comet acidentado foi cuidadosamente remontado, utilizando-se peças novas no lugar das que não foram resgatadas do avião acidentado.

Hangar de Plástico | Comet | G-ALYP

Um outro Comet foi colocado em um tanque com água, para simular a mesma situação de diferença de pressão atmosférica e desgaste de material. Cabe aqui uma explicação: Até então a maioria dos aviões da época voavam a baixas altitudes, onde a pressão atmosférica era semelhante à da superfície da terra. Porém os aviões a jatos necessitam voar a uma altitude muito grande para evitar turbulências e tempestade, onde a pressão atmosférica é mínima. Como o ser humano não consegue ficar consciente com uma pressão muito baixa, os aviões a jato precisam ter um sistema que deixe a pressão dentro do avião bem maior que a de fora.

Descobriu-se finalmente que os projetistas não tinham preparado a estrutura para ser usada com essa diferença de pressão, logo os aviões eram verdadeiras “bombas” voadoras. Bastou uma rachadura no teto do primeiro Comet acidentado para que ele se desintegrasse em pleno vôo. No caso do Comet resgatado do fundo do mar, a rachadura havia se iniciado onde a superfície metálica fora cortada em retângulo, para a instalação de uma antena de ADF. Também as janelas dos primeiros Comet eram quadradas, o que criava pontos de tensão nas extremidades. É por isso que, a partir dessas tragédias, os aviões passaram a ter janelas redondas e ovais, com o propósito de diminuir a tensão, e conseqüentemente, a fadiga metálica.

Ficha Técnica:

Aeronave: De Havilland Comet I
Registro: BOAC – G-ALYP
Kit: Airfix
Escala: 1/144
Número Hangar: SR00949

Boeing 727-100 | Transbrasil

Hangar de Plástico | 727-100 | Transbrasil | PT-TCB

Esse é o segundo 727-100 da Transbrasil. Encomendado e entregue para a Pan American como N342PA em 07.10.66 (nome “Clipper Golden Age”), foi vendido para a TransBrasil em 02.10.74, onde operou até 12.81 como PT-TCB, quando a empresa brasileira vendeu-o para a International Air Leases, alugando-o em seguida e voando com este trijato até 19.03.82. A aeronave, um kit convertido do 727-200 da Minicraft, mostra a pintura que ostentava em 1975, no esquema que era chamado Riquezas Brasileiras.

727-100 Transbrasil

727-100 Transbrasil

727-100 Transbrasil

727-100 Transbrasil

Ficha Técnica:

Aeronave:  Boeing 727-100
Registro: Transbrasil – PT-TCB
Kit: Minicraft
Escala: 1/144
Número Hangar: SR00727

Boeing 737-800 | Kulula Airways

Hangar de Plástico | 737-800 Kulula

E um outdoor bem animado, rsrsrs Esta aeronave é um 737-86N, o 455º 737NG construído, serial 28612. Foi aos céus pela primeira vez em 14.12.1999 e pertence à GECAS. Já operou com a Sun Express, Futura, Ryanair e New Axis Airways antes de ser alugado para a Kulula da África do Sul em 01.2010. O esquema de pintura bem humorado, marca registrada da empresa, chama-se Flying 101 e mostra por marcações onde estão os sistemas da aeronave, é muuuito legal. Ostenta a pintura até hoje.

A Draw Decal que fez o decal (código 44-737-119, preço de 12 libras) sugere a cor H16 da Gunze Sangyo (yellow green) ou Humbrol H38. Como eu não tinha nenhuma delas, a mistura foi Tamiya X-15 (light green) com um verde também claro da Acrilex, ambas à base de água. Ficou fosco (que corrigi no verniz final), mas no tom certo, ao menos para mim. Há muitas variações nas fotos, em face da quantidade de luz no avião em cada foto. Porém, como eu disse, para mim está ok e isso é o que me importa. Eles sugerem ainda um primer amarelo ao invés de cinza, para dar mais luz ao verde, mas eu fui de cinza mesmo.

Concordei com eles na questão de fechar portas e janelas, pois elas vem todas junto com a pintura em si, se as marcações do kit estiverem visíveis, vai ficar ruim… Ah, nestas fotos, antes do verniz, dá para ver a diferença entre a área final do decal e a pintura, mas após a aplicação do verniz brilhante, a diferença sumiu… Os decais são bons, mas a tendência é de partir. Assim, comecei e achei até que perderia o decal. Foi quando resolvi dar uma camada de verniz nele e dividir em seções menores para consegui terminar. Porém, fica o aviso: verniz e cuidado, pois mesmo assim, ele é extenso e quebradiço.

Ficha Técnica:

Aeronave:  Boeing 737-800 
Registro: Kulula – ZS-ZWP
Kit: Revell
Escala: 1/144
Número Hangar: SR01110

Boeing 737-800 | Gol Linhas Aéreas

Mais uma aeronave nova para o Hangar de Plástico. A meta é colocar uma por dia. Este é um Boeing 737-800SFP, prefixo PR-GGE (tecnicamente um 737-8EH com serial 35824), para divulgar sua nova (na época) campanha publicitária, denominada “Aqui todo mundo pode voar”, que tinha com principal estrelas simpáticas borboletas laranjas. De maneira lúdica, a campanha utilizou imagens da lagarta e de sua transformação em borboleta para mostrar como era fácil voar com a GOL. O kit, na escala 1/144, é da Revell alemã.

Os decais são do Rafael Benassi, da marca brasileira RBX (Set 144-62), com detalhamentos do set de decais original do kit. As winglets e o estabilizador horizontal foram pintados, mas o set RBX traz a opção de decal para eles. A aeronave operou com estas cores até o final de 2010, mas agora já ostenta as cores normais da empresa.

Hangar de Plástico | 737-800 | GOL

Ficha Técnica:

Aeronave:  Boeing 737-800 SFP
Registro: Gol Linhas Aéreas – PR-GGE
Kit: Revell
Escala: 1/144
Número Hangar: SR00059