Douglas DC-4 | Cruzeiro (Canopus)

Esse é o segundo da série especial Cruzeiro do Sul, o Douglas DC-4 Skymaster prefixo PP-CCJ, tal como voava no Brasil em 1949. Mais um da Altaya, convertido de versão militar para comercial.

 

Aeronave: Douglas DC-4 Skymaster
Operador & Registro: Cruzeiro do Sul | PP-CCJ
Kit: Altaya
Escala: 1/144
Número Hangar: SR01685

Douglas DC-4 | Cruzeiro (Sirius)

O Douglas DC-4 Skymaster, derivado do C-54 do US Army veio para o Brasil em 1946 através da Cruzeiro, que utilizou-se de três aeronaves: PP-CCI (Canopus – c/n 10441), PP-CCJ (Sirius – c/n 10322) e PP-CCS (Vega – c/n 27234), os três ex-C-54. O PP-CCI, serial 10441, era um C-54B-1-DC e foi recebido pela Força Aérea do Exército dos Estados Unidos em 13.11.1944 com o registro 42-72336.

Foi entregue para a Cruzeiro em 22.04.1946 e 15.06.1949 foi vendido para a Transocean (N226A). Na vida operacional, passou pela California Eastern Air Lines (mesmo prefixo), Air Liban (OD-ACA em 1954), Air France (F-BIUT em 1959), Aer Turas (EI-AOR em 1965), Africair (ZS-IGC em 1969), Wenela (A2-ZFH em 1971 e ZS-IGC em 1976) e African Lux (9Q-CAM em 1977). Foi derrubado e destruído em 26.11.1977 na Província Tete, em Moçambique.

Cruzeiro, que começou a voar para fora do Brasil após a Segunda Guerra Mundial, ganhou em 1947 o direito de servir New York e Washington com escala em San Juan de Puerto Rico. Para tais voos comprou os Douglas DC-4, mas a empresa precisaria de ajuda governamental para operar nesta rota. Apenas 30 voos de “reconhecimento” foram feitos entre 1948 e 1949. A ajuda não saiu e os DC-4 foram vendidos por 600 mil dólares da época cada um e, com este dinheiro, a empresa adquiriu modelos Convair 340, que chegaram em março de 1954.

Apenas para constar, em 1952 esta rota para os EUA foi tomada da empresa e repassada para a Varig que, inicialmente, disse que não precisava de ajuda, mas acabou por recebê-la meses depois, em mais um caso de benefício da Varig em detrimento das outras empresas da época (dados do livro Breve História da Aviação Brasileira de Aldo Pereira).

Há informações de que os DC-4 voaram em algumas rotas de maior densidade entre cidades brasileiras e chegavam a Buenos Aires, entre 1946 e 1949. Alguns comentam que havia um quarto DC-4, que seria o PP-CCU (s/n 10483), mas acredita-se que essa aeronave nunca operou no Brasil de verdade. Pelo que se sabe, a Cruzeiro “pulou” o registro PP-CCU por motivos óbvios.

Depois, operaram o Skymaster por aqui a Aerovias Brasil (quatro aparelhos), Lóide Aéreo (nove), Paraense (cinco) e Vasp (sete). A Cruzeiro os teve na frota somente até 1949, mas a aviação brasileira operou DC-4 até 1970. Eles podiam transportar 44 passageiros e até seis tripulantes a 310 km/h. A FAB também teve C-54.

O modelo foi feito baseado no modelo da coleção Bombardeiros da Segunda Guerra, vendido no Brasil pela Planeta DeAgostini, com modelos Altaya (Espanha). Estão à venda nas bancas com pintura da US Army. A escala é 1/144 e ficam iguais em proporções e aspecto aos Minicraft. Comprei dez para fazer mais versões deste lendário avião.

Os decais são do Leonardo Prado, LPS (veja link abaixo). Deu para fazer os dois (CCI & CCJ) com uma folha. Pintei as janelas e acertei os cockpits. Sobre a pintura, anotem um detalhe: apesar de ser raro achar foto deles, as hélices eram prata e as pontas estavam pintadas de azul, segundo pude encontrar na pesquisa para fazer estes modelos.

Aeronave: Douglas DC-4 Skymaster
Operador & Registro: Cruzeiro do Sul | PP-CCI
Kit: Altaya
Escala: 1/144
Número Hangar: SR01684

Boeing 777-200 | Transbrasil

Mais um exclusivo do Hangar de Plástico: A Transbrasil chegou a encomendar 3 aeronaves em 1994, mas elas foram canceladas em 1998 sem ser recebidas. Foi um projeto que eu e meu amigo Piovan bolamos na minha visita à ele na Flórida, em 2011. Fizemos o decal especial PT-TFA, com logos e asas vermelhas, como havia sido imaginado em uma capa da revista Flap Internacional dos Anos 90. Adorei o resultado, ficou muito bonito de se ver. Teria sido lindo na realidade. As janelas e cockpit são decais da Minicraft, originais do kit na escala 1/144. A portas de carga e outros detalhes do meu set do Boeing 777, que fiz para criar os da Pan Am.

Aeronave: Boeing 777-200
Operador & Registro: Transbrasil | PT-TFA
Kit: Minicraft
Escala: 1/144
Número Hangar: SR00936

Boeing 737-200 | Aerolineas Argentinas

O Boeing 737-236 prefixo LV-ZSW (serial 23170) voou pela primeira vez em 04.02.1985 e foi entregue para a British Airways como G-BKYL. Em 1999 foi vendido para a Pegasus Aviation e foi parar na Aerolineas Argentinas como LV-ZSW no ano 2000. Operou até 2008, quando foi retirada de uso e armazenada no Aeroparque, onde está até hoje. Em 2003 usou estas cores especiais, com títulos Austral no lado direito, em homenagem ao Club Atlético Boca Junior colors, que ganhou a Copa Europea-Sudamericana naquele ano. O kit é um Airfix na escala 1/144 by A. Bell.

Aeronave: Boeing 737-200
Operador & Registro: Aerolineas Argentinas | LV-ZSW
Kit: Airfix
Escala: 1/144
Número Hangar: SR01607

Boeing 737-200 | Royal Brunei

Kit Airfix 1/144 de um Boeing 737 especial e raro. A Royal Brunei Airlines foi criada em 18.11.74. A empresa comprou dois aviões Boeing 737-200 para começar sua frota e, em 14.04.75, uma das aeronaves inaugurou o Brunei International Airport, decolando para o Singapore Changi Airport.

Esta aeronave era o VR-UEB (Serial 20913), fazendo o primeiro voo da Royal Brunei Airlines. A empresa existe ainda hoje, operando 10 aeronaves (2 A319, 2 A320 e 6 777-200. Há ainda 5 Dreamliners em encomenda e mais 1 A320). Chegou a ter 3 737-200s e os vendeu no início de 1993, passando a operar modelos 757 e 767.

Aeronave: Boeing 737-200
Operador & Registro: Royal Brunei Airlines | VR-EUB
Kit: Airfix
Escala: 1/144
Número Hangar: SR00462