Bae. Hawk | RAF Red Arrows

Bae. Hawk | Red Arrows

Este é um Bae Systems Hawk T1A, o clássico treinador da Royal Air Force (RAF) que equipa a esquadrilha de demonstrações Britânica, os Red Arrows, desde 1979. Ele voou pela primeira vez em Dunsfold, Surrey, em 1974, sob o nome Hawker Siddeley Hawk e, posteriormente, foi produzido por suas empresas sucessoras, British Aerospace e BAE Systems, respectivamente. Tem sido usado na formação de pilotos e como uma aeronave de combate de baixo custo.

Operadores do Hawk incluem o Força Aérea Real (nomeadamente a equipe Red Arrows) e um número considerável de operadores militares estrangeiros. Estas aeronaves ainda estão em produção no Reino Unido e na Índia sob licença pela Hindustan Aeronautics Limited (HAL), com mais de 900 Hawks vendidos a 18 operadores em todo o mundo.

Os Red Arrows, oficialmente denominados como Royal Air Force Aerobatic Team (Grupo Acrobático da Real Força Aérea), são um grupamento de acrobacias aéreas da Royal Air Force. Sua base oficial está localizada em Lincolnshire, Inglaterra. O grupamento foi criado em 1964 e participa de exibições e também de campeonatos de acrobacias aéreas. São 9 pilotos a cada ano, a elite da aviação inglesa.

Este kit Airfix na escala 1/72 foi comprado no Canadá em Abril de 2017 e montado logo na sequência para homenagear os 100 Anos da RAF comemorados em 2018. A aeronave XX325 (serial 169/312150) que este kit representa foi entregue para a RAF em 04.12.1980 e continua se apresentando com a esquadrilha Red Arrows.

Bae. Hawk | Red Arrows

Bae. Hawk | Red Arrows

Bae. Hawk | Red Arrows

Bae. Hawk | Red Arrows

Bae. Hawk | Red Arrows

Aeronave: Bae Systems Hawk T1A
Operador & Registro: Royal Air Force (RAF) | Red Arrows | XX325
Kit: Airfix (A55202B)
Escala: 1/72
Número Hangar: SR02568

F-4J Phantom II | US Marines

É o antigo kit Monogram, velho de guerra, modificado, com decais CAMPRO P48-014. A aeronave é a DB-9 do VMFA-235 (Death Angels), tal como baseado no Hawaii, na MCAS Kaneohe Bay, entre 1970 e 1972.

O F-4 Phantom II é um caça-bombardeiro de alto desempenho, capacitado para operar em todas as condições meteorológicas e de luminosidade. Desenvolvido originalmente durante a segunda metade da década de 1950 pela McDonell Douglas Corporation, mais tarde McDonnell Douglas e a atual Boeing, entrou ao serviço da Marinha dos Estados Unidos no final de 1960.

Inicialmente desenvolvido para uso a bordo dos porta-aviões, como interceptador de longo alcance, providenciando a defesa aérea da frota, veio a demonstrar uma grande flexibilidade de desempenho, sendo também adotado pela Força Aérea, pelo Corpo de Fuzileiros e ainda por uma dezena de países aliados, revelando-se uma aeronave capaz de executar uma ampla gama de funções, desde a interseção até ao bombardeamento, passando pelo reconhecimento e pela guerra eletrónica, para o que foram desenvolvidas versões especificas.

Em finais de 1979, quando a sua produção terminou, tinham sido construídos 5.195 exemplares de todas as variantes, das quais 2.874 para a USAF, 1.264 para a Marinha e Marines e 1.057 para exportação, mantendo-se na atualidade ainda em atividade em algumas nações, após uma extensiva atualização.

O VMFA-235, Death Angels, foi criado em 01.01.1943 e existiu até 14.06.1996. Voou SBD Dauntless no início e terminou sua carreira voando F-18C Hornet. Na Guerra do Vietnam voou F-8 Crusader, operando mais de 6.000 missões de sua base em Da Nang, no Vietnam. Em 1968 foi realocado para a Naval Air Station Kaneohe Bay, no Hawaii, recebendo novo equipamento,  os F-4J Phantom II, que ficaram maravilhosos com o radome vermelho cheio de estrelas, a marca registrada dos Death Angels.

Aeronave: McDonnell Douglas F-4 Phantom II
Operador & Registro: US Marines | VMFA-235
Kit: Monogram
Escala: 1/48
Número Hangar: SR01759

P-47D Thunderbolt MK.I | RAF

Republic P-47 Thunderbolt, kit Revell (código 5261), na escala 1/48, com decais brasileiros do Leonardo Prado (LPS Hobby – LPM48-04 – British Thunderbolts). Esse avião está nas cores da Royal Air Force (RAF), a força aérea inglesa, onde era conhecido como Thunderbolt MK.I. Ostenta o código HD176 (White 36) e era um P-47D-22-RE, Serial 42-26231, fornecido pelos Estados Unidos que lutou na 73 OTU, em Fayid no Egipto ao final de 1944 e início de 1945.

O kit da Revell é antigo, o molde é de 1967. Atualmente, a versão vendida aqui nos Estados Unidos por 16 dólares é injetada na China e possui versões da 8ª e 9ª Forças Aéreas do Exército Americano, na Inglaterra, durante o fim da Segunda Guerra Mundial. É um bom kit.

Foi construído totalmente OTB (out of the box), ou seja, sem adição de detalhes extras, exceto as antenas, feitas com plástico estirado do próprio kit. Recomendo este kit, pois com pouco trabalho, se transforma em um excelente P-47 Razorback, como era conhecida esta versão. A FAB não usou operacionalmente este modelo e teve apenas uma unidade, que foi usada na escola de cadetes em Guaratinguetá, São Paulo, no final dos anos 40/50.

Os decais usados são da LPS Hobby, do meu amigo Leonardo Prado (a quem agradeço) que enviou alguns de seus sets mais recentes militares nas escalas 1/48 e 1/72 para que eu fizesse um review. Entre sets de P-47 (bolha ou razorback) e Mustangs em ambas as escalas, optei por usar o set LPM-48-04, que custa 15 dólares e tem três versões de aeronaves do 73 OTU no Egito: este razorback e dois com capota bolha, incluindo a aeronave do comandante, o famoso Black Thunderbolt, todo preto com faixas vermelhas, o KJ348.

Foi o primeiro kit que montei nos Estados Unidos.

Aeronave: Republic P-47D Thunderbolt MK.I
Operador & Registro: Royal Air Force (RAF) | HD176
Kit: Revell
Escala: 1/48
Número Hangar: SR01760

Douglas SBD Dauntless | US Navy

Este foi o primeiro kit a ser finalizado em 2013. É também um avião que representa do Douglas SBD Dauntless, que foi o primeiro kit que montei na vida, em 1978.

Na Segunda Guerra Mundial, 5.936 bombardeiros de mergulho Dauntless foram construídos entre 1940 e 1944. A sigla SBD (“Scout Bomber Douglas”) designava o modelo, que viu todas as principais batalhas da 2ª Guerra e foi substituído pelo Curtiss Helldiver. Voou de bases terrestres e porta-aviões. O Dauntless que este kit representa voava do USS Lexington em 1943. Os Dauntless voaram 1.189.473 horas operacionais, cerca de 25% das horas operacionais de aviões baseados em porta-aviões durante a Guerra.

O kit é um Testors na 1/72 que comecei em 2007 e ficou parado desde então. Resolvi terminar após a construção do Helldiver, no fim de dezembro. Não tinha detalhe algum, os freios foram pintados e o mesmo eu fiz com as baías do trem de pouso.

Aeronave: Douglas SBD Dauntless
Operador & Registro: US Navy | #32
Kit: Testors
Escala: 1/72
Número Hangar: SR00581

F4U-1D Corsair | US Navy

Terceiro modelo de 2013. Na realidade este é um die-cast da Easy Model. Sempre tive vontade de pegar um kit destes e detalhar. Fiz desgastes, antenas, pintei os trens e cubo das rodas (que eram prata), foguetes e coloquei stencils. Resolvi começar com este Corsair para colocá-los junto com os demais aviões do fim da Guerra do Pacífico.

O Corsair teve produção iniciada em 1942 e operou desde então com a Navy e os Marines, seja de terra ou dos porta-aviões. Sua visão era inconfundível, com o perfil de asas de gaivota invertida, necessária para dar altura ao avião, com sua enorme hélice. No total, 12.681 foram construídos.

Este é dos Marines, Esquadrão VMF-312 que tinha como característica marcante sua pintura xadrez (checkerboard) no motor e cauda. O Esquadrão tinha o apelido de “Day’s Knights” em homenagem ao Major Richard M. Day, mas se tornou conhecido como “Checkerboarders”. Os Marines comissionaram o Fighting Squadron 312 (VMF-312) no Page Field, Parris Island, South Carolina em 1º de junho de 1943 e ele continua ativo hoje como VMFA-312voando F/A-18.

O #530 operou em Okinawa em 1945.

Aeronave: Vought F4U-1D Corsair
Operador & Registro: US Navy | #530
Kit: Easy Model
Escala: 1/72
Número Hangar: SR00411