Douglas DC-4 | Cruzeiro (Sirius)

O Douglas DC-4 Skymaster, derivado do C-54 do US Army veio para o Brasil em 1946 através da Cruzeiro, que utilizou-se de três aeronaves: PP-CCI (Canopus – c/n 10441), PP-CCJ (Sirius – c/n 10322) e PP-CCS (Vega – c/n 27234), os três ex-C-54. O PP-CCI, serial 10441, era um C-54B-1-DC e foi recebido pela Força Aérea do Exército dos Estados Unidos em 13.11.1944 com o registro 42-72336.

Foi entregue para a Cruzeiro em 22.04.1946 e 15.06.1949 foi vendido para a Transocean (N226A). Na vida operacional, passou pela California Eastern Air Lines (mesmo prefixo), Air Liban (OD-ACA em 1954), Air France (F-BIUT em 1959), Aer Turas (EI-AOR em 1965), Africair (ZS-IGC em 1969), Wenela (A2-ZFH em 1971 e ZS-IGC em 1976) e African Lux (9Q-CAM em 1977). Foi derrubado e destruído em 26.11.1977 na Província Tete, em Moçambique.

Cruzeiro, que começou a voar para fora do Brasil após a Segunda Guerra Mundial, ganhou em 1947 o direito de servir New York e Washington com escala em San Juan de Puerto Rico. Para tais voos comprou os Douglas DC-4, mas a empresa precisaria de ajuda governamental para operar nesta rota. Apenas 30 voos de “reconhecimento” foram feitos entre 1948 e 1949. A ajuda não saiu e os DC-4 foram vendidos por 600 mil dólares da época cada um e, com este dinheiro, a empresa adquiriu modelos Convair 340, que chegaram em março de 1954.

Apenas para constar, em 1952 esta rota para os EUA foi tomada da empresa e repassada para a Varig que, inicialmente, disse que não precisava de ajuda, mas acabou por recebê-la meses depois, em mais um caso de benefício da Varig em detrimento das outras empresas da época (dados do livro Breve História da Aviação Brasileira de Aldo Pereira).

Há informações de que os DC-4 voaram em algumas rotas de maior densidade entre cidades brasileiras e chegavam a Buenos Aires, entre 1946 e 1949. Alguns comentam que havia um quarto DC-4, que seria o PP-CCU (s/n 10483), mas acredita-se que essa aeronave nunca operou no Brasil de verdade. Pelo que se sabe, a Cruzeiro “pulou” o registro PP-CCU por motivos óbvios.

Depois, operaram o Skymaster por aqui a Aerovias Brasil (quatro aparelhos), Lóide Aéreo (nove), Paraense (cinco) e Vasp (sete). A Cruzeiro os teve na frota somente até 1949, mas a aviação brasileira operou DC-4 até 1970. Eles podiam transportar 44 passageiros e até seis tripulantes a 310 km/h. A FAB também teve C-54.

O modelo foi feito baseado no modelo da coleção Bombardeiros da Segunda Guerra, vendido no Brasil pela Planeta DeAgostini, com modelos Altaya (Espanha). Estão à venda nas bancas com pintura da US Army. A escala é 1/144 e ficam iguais em proporções e aspecto aos Minicraft. Comprei dez para fazer mais versões deste lendário avião.

Os decais são do Leonardo Prado, LPS (veja link abaixo). Deu para fazer os dois (CCI & CCJ) com uma folha. Pintei as janelas e acertei os cockpits. Sobre a pintura, anotem um detalhe: apesar de ser raro achar foto deles, as hélices eram prata e as pontas estavam pintadas de azul, segundo pude encontrar na pesquisa para fazer estes modelos.

Aeronave: Douglas DC-4 Skymaster
Operador & Registro: Cruzeiro do Sul | PP-CCI
Kit: Altaya
Escala: 1/144
Número Hangar: SR01684

Douglas DC-6B | American Airlines

A American Airlines recebeu seu primeiro Douglas DC-6 em 1947, operando modelos A e B entre até 1966. O N90757, serial 43269, foi entregue em 18.05.1951 e recebeu o nome de Flagship Oklahoma, nome que herdou do DC-3 N16019, alterado para Flagship Oklahoma City. Este DC-6 operou na empresa até 1964, quando foi arrendado para a Hawaiian Airlines até 09.1966. Em 1968 foi vendido para a Yemen Airways e registrado 4W-ABD. Em 1971 foi retirado de uso e virou sucata.

Kit Minicraft e decais Airways Graphic International. Optei por pintar radome, asas, estabilizdores e motores (Testors 921536), pois usar decais nisso era um pesadelo.

Aeronave: Douglas DC-6B
Operador & Registro: American Airlines | N90757
Kit: Minicraft
Escala: 1/144
Número Hangar: SR01021

Douglas DC-6B | United

Este é o Douglas DC-6B prefixo N37559, da United Airlines. Uma das 52 aeronaves do tipo que voaram nas cores da empresa. Este, em particular, tinha o nome de Mainliner Denver e foi alvo de um crime em 01.11.1955, quando John Gilbert Graham, colocou dinamite na bagagem de sua mãe que voaria entre Denver e Seattle no voo 629, que se originava em New York City. 11 minutos após a decolagem, o DC-6 explodiu sobre Longmont, Colorado, com a perda de 39 passageiros e 5 tripulantes. Graham queria matar a mãe e ter acesso à dinheiro de seguro, que ele fez para ela antes da viagem. Foi descoberto pelo FBI e condenado à morte.

Kit Minicraft Pan Am/United, com decais da caixa, que tem duas opções: o Mainliner Denver e o Mainliner New York.

Aeronave: Douglas DC-6B
Operador & Registro: United Air Lines | N37559
Kit: Minicraft
Escala: 1/144
Número Hangar: SR00447

Lockheed Super Constellation | Iberia

Lockheed L-1049G Super Constellation serial 4673, prefixo EC-AMP, batizado de Don Juan, que operou nas cores da Iberia – Lineas Aereas de Spaña entre 1957 e 1964. Foi o primeiro Constellation modelo G da Iberia (depois veio o EC-AMQ) e complementava três L-1049E entregues antes, todos novos de fábrica. Foi convertido em cargueiro em 1964 e vendido para a International Aerodyne em 1972 (como N8021). Em 06.1970, foi danificado além da viabilidade econômica de reparo, após um pouso onde o trem de pouso sofreu um colapso, na cidade argentina de La Rioja.

Kit Minicraft, escala 1/144, com decais originais (segunda opção no kit com caixa da TWA). Porém, fiquem atentos: o decal está em tom de amarelo errado (vejam o drawing no próximo post) e não possui indicações de pintura adequadas: há faixa na cor amarela e vermelha nas asas e nas pontas das hélices.

Aeronave: Lockheed L-1049G Super Constellation
Operador & Registro: Iberia | EC-AMP
Kit: Minicraft
Escala: 1/144
Número Hangar: SR01116

Lockheed Electra II | KLM

Este é o Lockheed L-188 Electra II nas cores iniciais do modelo na KLM (depois, mudou o sentido das listras na deriva). Esta aeronave, PH-LLD, serial 2009, com o nome Jupiter, operou sua vida toda com a KLM e foi arrendada, por um período, em 1961 para a Air Ceylon e em 1965 para a PAS (Persian Air Services). Voltou para a KLM e encontra-se preservada no aeroporto Schipol em Amsterdan. O modelo é em metal, da Aviation200 na escala 1/200. Belíssimo trabalho da marca, pintura e detalhes muito bons.

O Lockheed L-188 Electra começou a ser desenvolvido em 1954 para atender uma exigência da American Airlines, para operar em rotas domésticas de curto e médio alcance. O primeiro protótipo voou em 6 de dezembro de 1957. Muitas outras companhias aéreas americanas já se interessavam pelo modelo e a lista de pedidos já passava de 144. Seu primeiro voo comercial foi em 12 de janeiro de 1959, com a Eastern Air Lines (devido a uma greve de pilotos da American Airlines). No entanto, o otimismo da Lockheed sobre vendas futuras foi fortemente abalado por uma série de acidentes ocorridos entre 1959 e 1960 (dois deles onde a aeronave partiu-se em voo), que contribuiu para uma grande quantidade de cancelamentos de pedidos.

Como medida preventiva, restrições à velocidade e altitude de voo foram impostas aos Electras após essas ocorrências. Após uma longa investigação conduzida pela Lockheed em conjunto com a NASA, finalmente descobriu-se a causa para as rupturas da estrutura da asa ocorridas em voo. Um erro de projeto das naceles dos motores fazia com que estes gerassem uma vibração conhecida como “whirl mode”, que era transmitida à asa na mesma frequência de ressonância desta, que iniciava assim um movimento de oscilação crescente que culminava no rompimento de sua estrutura e sua separação da fuselagem.

As naceles ou berços dos motores e as asas foram então reprojetados, recebendo diversos reforços estruturais, e todas as unidades do L-188 em operação foram imediatamente submetidos a um programa de modificações denominado “LEAP – Lockheed Electra Action Program”. Dessa forma, o problema foi definitivamente resolvido e as restrições de voo impostas ao Electra foram suspensas. Porém a imagem do modelo estava irremediavelmente manchada entre os usuários de transporte aéreo dos Estados Unidos, sendo esse um dos motivos que levaram ao prematuro encerramento de sua produção, tendo o último Electra produzido, modelo L-188C e número de série 2022, sido entregue à empresa Garuda Indonesian Airways no dia 15 de janeiro de 1961.

Aeronave: Lockheed L-188 Electra II
Operador & Registro: KLM | PH-LLD
Kit: Aviation 200
Escala: 1/200
Número Hangar: SR00704