Boeing 727-200 | Hughes Airwest

O Boeing 727 é uma aeronave Norte-Americana, narrow-body. Um trijato, com cauda em “T” criado nos Anos 60 para impulsionar a aviação comercial, chegando onde outros jatos maiores não pousavam. O primeiro Boeing 727 voou em 1963 e por mais de uma década foi o jato comercial mais vendido e produzido no mundo. Quando a produção se encerrou em 1984, um total de 1.831 aeronaves haviam sido produzidas, o que era um recorde absoluto de venda. Esse recorde somente foi quebrado (e depois por muito ultrapassado) no começo dos anos 90 por seu irmão mais novo, o Boeing 737.

O 727 foi produzido seguindo o sucesso do quadrimotor Boeing 707. Projetado para rotas de curta distância, o 727-100 se tornou o principal apoio para rotas comerciais das empresas aéreas. Uma versão alongada, conhecida como 727-200 foi lançada em 1967. Apesar de ter dado um grande impulso para a aviação comercial, hoje há poucos Boeing 727 em operação. Na sua época de auge, nos Anos 70 e 80, diversos 727 pousavam ou decolavam a cada minuto pelo Mundo.

Segundo o site Aviation Safety Network, até hoje (06.2018), um total of 334 ocorrências foram registradas pelo tipo, incluindo 119 perdas totais, com um total de  3.865 mortes. Houveram também 183 sequestros com este modelo, com 346 fatalidades.

Se quiser saber mais sobre o Boeing 727, visite meu site especializado nesta aeronave, o 727 Datacenter.

Este modelo representa uma aeronaves  que não se acidentou. O N722RW era um 727-2M7, encomendado e construído para a Hughes Airwest, empresa do legendário Howard Hughes. Foi o 727 de número 1220 construído, serial 21201, que fez seu primeiro voo em 19.10.1976 com motores JT8D-17R.

O 727-200 Advanced N722RW foi entregue para a Hughes como “Spirit of the Racer” em 01.11.1976, passou para a Republic Airlines com a fusão das empresas em 01.10.1980 e, em 01.10.1986 para a Northwest Airlines, operando até 2003. Em 2004 foi vendido para a Aero Controls e foi desmontado em 26.10.2005.

Sua curiosa cor amarela, esquema conhecido como Flying Banana, deriva de um acidente com um DC-9 da Hughes Airwest em 1976. Às 18h02, no fim de tarde de um Domingo, dia 06.06.1971, o voo 706 entre as cidades de Los Angeles e Seattle, com 5 escalas, tinha acabado de decolar de LAX  para a primeira parada em Salt Lake City.

O DC-9 subia para o nível 155. Às 18h11, cruzando o nível 151 (4.200 metros de altura) sobre as Montanhas San Gabriel, perto de Duarte, California, a parte dianteira do DC-9 foi atingida pela cauda de um caça F-4B Phantom II do Esquadrão 323 dos Marines, serial 151458 (código 451), que estava realizando um voo de Fresno (CA) para Fallon (NE), programado para ser voado em baixa altitude.

No entanto, o Phantom II 451 estava em estado crítico, experimentando diversas panes neste voo, incluindo falha de transponder e vazamento de oxigênio. Por esta razão, em face do cair da noite e da redução na visibilidade, resolveu subiu para o nível 155. Após uma manobra nesta altitude, desceu para o nível 151 e colidiu com o DC-9.

Após o acidente, o operador de radar do F-4B, Christopher E. Schiess, ejetou seu assento e foi o único sobrevivente. O piloto, James R. Phillips, não conseguiu ejetar e caiu com o Phantom II. O caça colidiu com o solo no Mount Bliss, a 1,6 km de distância do local de queda do DC-9.

No total, 49 vidas se perderam no DC-9 e com o piloto do F-4, foram 50 fatalidades. Howard Hughes, consternado, mandou pintar todos os seus aviões de amarelo brilhante para que nunca mais fossem vítimas de uma colisão aérea. Assim, o Boeing 727-200 N722RW reflete este esquema de pintura, que foi a última da empresa Hughes Airwest.

Saiba mais sobre este acidente clicando AQUI. O kit é um antigo Airfix (03183), na escala 1/144 com decais da Guido Globales. Para saber a história do kit Airfix do Boeing 727, visite o 727 Datacenter, clicando AQUI.

Aeronave: Boeing 727-200 Advanced
Operador & Registro: Hughes Airwest | N722RW
Kit: Airfix
Escala: 1/144
Número Hangar: SR01682

Bae. Hawk | RAF Red Arrows

Bae. Hawk | Red Arrows

Este é um Bae Systems Hawk T1A, o clássico treinador da Royal Air Force (RAF) que equipa a esquadrilha de demonstrações Britânica, os Red Arrows, desde 1979. Ele voou pela primeira vez em Dunsfold, Surrey, em 1974, sob o nome Hawker Siddeley Hawk e, posteriormente, foi produzido por suas empresas sucessoras, British Aerospace e BAE Systems, respectivamente. Tem sido usado na formação de pilotos e como uma aeronave de combate de baixo custo.

Operadores do Hawk incluem o Força Aérea Real (nomeadamente a equipe Red Arrows) e um número considerável de operadores militares estrangeiros. Estas aeronaves ainda estão em produção no Reino Unido e na Índia sob licença pela Hindustan Aeronautics Limited (HAL), com mais de 900 Hawks vendidos a 18 operadores em todo o mundo.

Os Red Arrows, oficialmente denominados como Royal Air Force Aerobatic Team (Grupo Acrobático da Real Força Aérea), são um grupamento de acrobacias aéreas da Royal Air Force. Sua base oficial está localizada em Lincolnshire, Inglaterra. O grupamento foi criado em 1964 e participa de exibições e também de campeonatos de acrobacias aéreas. São 9 pilotos a cada ano, a elite da aviação inglesa.

Este kit Airfix na escala 1/72 foi comprado no Canadá em Abril de 2017 e montado logo na sequência para homenagear os 100 Anos da RAF comemorados em 2018. A aeronave XX325 (serial 169/312150) que este kit representa foi entregue para a RAF em 04.12.1980 e continua se apresentando com a esquadrilha Red Arrows.

Bae. Hawk | Red Arrows

Bae. Hawk | Red Arrows

Bae. Hawk | Red Arrows

Bae. Hawk | Red Arrows

Bae. Hawk | Red Arrows

Aeronave: Bae Systems Hawk T1A
Operador & Registro: Royal Air Force (RAF) | Red Arrows | XX325
Kit: Airfix (A55202B)
Escala: 1/72
Número Hangar: SR02568

Airbus A300B4 | Alitalia

O Airbus A300 foi um avião de médio alcance, o primeiro bimotor de fuselagem larga (widebody) da história da aviação, bem como a primeira aeronave produzida pela Airbus. O primeiro voo deste significativo avião foi feito em 28 de outubro de 1972 e a aeronave modelo A300 foi fabricada pela Airbus de 1972 até 2007, tendo sido aperfeiçoada tecnologicamente ao longo dos anos pela fabricante européia. Transportava cerca de 280 passageiros em médias distâncias. Vendeu cerca de 900 unidades.

A Vasp, Varig e Cruzeiro utilizaram o modelo A-300B2 e B4/200 em rotas nacionais e continentais, com grande sucesso. A Vasp foi a pioneira no uso dessas aeronaves na América do Sul e fez muito sucesso na rota São Paulo – Brasília – Manaus.

O kit Airfix na escala 1/144 (by Guick) representa a aeronave foi o #67 na linha de produção da Airbus, com primeiro voo em 20.10.1978 e entrega em 12.12.1978 para a empresa que o encomendou, a Eastern Air Lines (N207EA). Voou nos EUA até ser vendido para a Alitalia em 30.10.1988. A Alitalia operou unidades dos modelos A300B4-103 e 203, duas das quais em versão de carga. O I-BUSP era um A300B4-103 e tinha o nome de “Masaccio”, operando até 1997.

Aeronave:  Airbus A300B4-103
Operador & Registro: Alitalia | I-BUSP
Kit: Airfix
Escala: 1/144
Número Hangar: SR01601

HS Buccaneer S.2D | Royal Navy

Mais um kit, altamente modificado, do Blackburn (depois Hawker Siddeley) Buccaneer, agora na versão naval, H.M.S. Ark Royal, em 1976, Esquadrão 809 da Fleet Air Arm. Mesmo Airfix do kit SR01619, montado na versão de caixa da Marinha Inglesa. Pena o decal da asa ter ficado com silvering. Fiz asas dobradas, como ficavam hangarados no Porta-Aviões.

Aeronave: HS Buccaneer S.2D
Operador & Registro: Royal Navy (RN) | XV344
Kit: Airfix
Escala: 1/72
Número Hangar: SR00318

HS Buccaneer S.2B | RAF

O Blackburn (depois Hawker Siddeley) Buccaneer foi uma aeronave dos Anos 50, desenvolvido como avião de ataque nuclear para missões de alta capacidade e em alta velocidade. Seria usado (como foi) pela RAF e Royal Navy da Inglaterra entre 1962 e 1994. O único operador no exterior foi a Força Aérea da África do Sul. Foram produzidos pouco mais de 200 destes aviões, dos quais 46 do modelo S.2B (estes construídos pela HS entre 1973 e 1977), com capacidade para lançar mísseis Martel, realizando missões anti-radar e anti-navio.

A carreira do Buccaneer já estava quase encerrada quando, na Guerra do Golfo (1991) a RAF já em plena campanha, se deu conta de que precisava de uma aeronave para “iluminar” alvos para ataques com bombas guiadas a laser. Os aviões que tinham esta capacidade eram estes, da base aérea de Lossiemouth. Assim, treze aeronaves foram pintadas às pressas na cor “Desert Sand” (também chamada de Desert Pink) e enviadas para o Golfo, para apoiar Tornados e outras aeronaves. Fizeram muitas missões de apoio e também lançaram bombas Paveway de 1.000lbs, conseguindo inclusive, destruir um C-130 iraquiano capturado.

O kit é um Airfix (A04049) na escala 1/72 com os decais da versão recém lançada. Aliás, o decal é bom de ser aplicado, mas traz um erro que só fui perceber após a conclusão do kit e aplicação de verniz. A marcação vem para se fazer o XW895 quando a aeronave que operou no Golfo era o XX895 (XW895 era um Gazelle). Foi montado em 2012.

No mais, kit dos anos 80 da Airfix, baseado no kit original (série S.1), com todas as desvantagens disso: não há detalhes em rodas, nada no cockpit (há decal para painéis, mas o resultado é fraco). Acabei montando este com o Royal Navy XV344, kit que já tinha há anos e notei que a nova versão (que faz RAF, Royal Navy e SAAF) tem um set extra de cabides e armamentos para se fazer a versão da Guerra do Golfo. Atenção para a cor: apesar de a caixa trazer o kit em cor errada (mais para o sand) a cor correta é a 250 (Desert Sand).

Baixei flaps, fiz detalhamento de relevo e optei por fazer a aeronave estacionada com marcações de proteção de sistemas e coberturas nas entradas e saídas de ar dos motores e do iluminador laser (asa esquerda). Enfim, é um bonito avião e fazia falta na coleção!

A base que fiz para este kit é de MDF, com o desenho de tarmac baseado em modelos que se encontra na Internet, no qual adicionei os símbolos do esquadrão e dados do modelo. Achei o resultado excelente e pretendo fazer isso para os demais aviões que montar de hoje em diante, pois valoriza o modelo.

Aeronave: HS Buccaneer S.2B
Operador & Registro: Royal Air Force (RAF) | XX895
Kit: Airfix
Escala: 1/72
Número Hangar: SR01619