Independência(?) do Brasil

Saudade do tempo em que 7 de Setembro era dia de se ver a Esquadrilha da Fumaça e comemorar a romântica idéia de que formávamos um país… No entanto somos apenas um grupo de pessoas reféns vivendo em um território (in)comum, dominado por quadrilhas de bandidos de terno de um lado e bandidos com fuzis na mão de outro.

Costumo dizer que o Brasileiro de hoje não sabe nem amar (vide os crimes contra parceiros que “ousam” terminar relacionamentos). Como podemos esperar que gente deseducada possa entender, respeitar, votar ou ser um cidadão de bem?

Enfim, os modelos dos T-27 e T-6 da Esquadrilha da Fumaça são minha homenagem ao Brasil que dá certo, com algumas poucas ilhas de prosperidade, civilidade, capacidade, educação, cidadania e trabalho!

EMB-110 Bandeirante | FAB SC-95B

SC-95 Bandeirante | FAB

Este é o primeiro avião da Embraer. O EMB-110 Bandeirante é um avião turboélice destinado ao uso civil e militar, com capacidade para até 21 passageiros, desenvolvido e fabricado no Brasil pela Empresa Brasileira de Aeronáutica, a Embraer, criada no final da década de 60 pelo governo brasileiro, que incentivou a empresa como ferramenta de expansão da indústria nacional. O Bandeirante surgiu para preencher a lacuna de uma aeronave de baixo custo operacional e capaz de ligar regiões remotas do Brasil, com pouca infraestrutura.

Coube a uma equipe do Centro Técnico Aeroespacial, liderada inicialmente pelo projetista francês Max Holste, com a supervisão do engenheiro aeronáutico Ozires Silva, a missão de desenvolver o produto. A fase do projeto demorou três anos até o primeiro voo, em 22 de outubro de 1968. Em maio de 1971 foi iniciada a produção em série do EMB-110, com a primeira entrega em 09.03.1973 para a Força Aérea Brasileira, que encomendou oitenta unidades.

A aeronave ainda foi vendida para diversos países. De um total de 498 aviões fabricados, 245 foram para o exterior, incluindo forças armadas. Utilizado para o transporte de passageiros, carga, busca e salvamento (SAR), reconhecimento fotográfico, originou também uma versão de patrulha marítima, o Bandeirante Patrulha, apelidado Bandeirulha (EMB-111).

Este kit representa um EMB-110P1SAR, versão SAR derivada do EMB-110P1 (K) com acomodações para seis macas e peso máximo de 6.000 kg. Sua designação na Força Aérea Brasileira é de SC-95B. OEMB-110P1 (K) é a versão de transporte militar, com capacidade para 1.650 kg entregue a partir de 05.1977, equipado com motores Pratt & Whitney Canada PT6A-34 de 750HP, deriva ventral, comprimento da fuselagem de 14,60 m, porta de carga traseira e porta extra de passageiros/tripulação, conhecido como C-95A.

Entre 1981 e 1982 foram entregues à FAB cinco exemplares da versão EMB-110P1K SAR, destinada à realização de missões de busca-e-salvamento. Essas aeronaves, designadas como SC-95B e matriculadas FAB 6542 a FAB 6546, substituíram os Grumman SA-16 Albatross no 2º/10º Grupo de Aviação.

Os SC-95B são equipados internamente para evacuação aeromédica, capazes de transportar até seis feridos a bordo, em macas; botes salva-vidas e paramédicos podem ser lançados de pára-quedas pela porta traseira. Duas largas janelas de observação, ovaladas, em bolha, foram instaladas na parte traseira da fuselagem. O kit reproduz o FAB 6546, o último dos modelos SC-95B, serial 110374.

Para saber mais sobre o EMB-100 bandeirante na Força Aérea Brasileira (FAB), clique AQUI para ir ao excelente site do meu amigo e historiador Rudnei Cunha.

O kits é um modelo em resina e trens em metal com comprimento aproximado de 10,5cm escala 1/144. Por se tratar de um kit muito pequeno, requer cuidados e é indicado para modelistas com experiência. Modelo Duarte Models DA 144-05 que você encontra no Mercado Livre.

SC-95 Bandeirante | FAB

SC-95 Bandeirante | FAB

SC-95 Bandeirante | FAB

SC-95 Bandeirante | FAB

Aeronave:  Embraer EMB-110 (SC-95B) Bandeirante
Operador & Registro: FAB | 6546
Kit: Duarte
Escala: 1/144
Número Hangar: SR00754

Vickers Viscount SRS.700 | FAB

Kit 1/144 S&M Models, custom decals. O kit representa o Viscount VC-90, registro 2101, serial number 345, modelo 789D, recebido novo em 23.12.1957. A aeronave fez seu 1º vôo em 01.12.1957 e encontra-se preservado no Museu Aeroespacial no Campo dos Afonsos. Rio de Janeiro.

O Vickers Viscount FAB VC 90 foi o segundo avião presidencial do governo brasileiro. Sua aquisição foi feita em 1954, da Vickers-Armstrong para atender o presidente Juscelino Kubitschek e substituir o avião anterior VC 66, por ser limitado em autonomia e ter pouco conforto. Foram encomendados 2 unidades, que ficaram designados como VC 90 2100 e VC 90 2101. Sua configuração contava com 71 assentos e 4 motores Rolls-Royce Dart.

Este avião foi bastante usado pelo presidente Juscelino Kubitschek para acompanhar a construção da nova capital Brasília. Em 1964 foram tirados de serviço e em 1968 aposentados, pois não voavam mais como avião presidencial. O modelo 2101 encontra-se hoje no Museu Aeroespacial no Rio de Janeiro. O modelo 2100, por sua vez, foi comprado em um leilão da massa falida da VASP pela prefeitura do município paulista de Araçariguama, por R$ 80 mil, e foi restaurado a um custo de R$ 20 mil.

Aeronave: Vickers Viscount SRS.700
Operador & Registro: Força Aérea Brasileira | FAB2101 | VC-90
Kit: S&M Models
Escala: 1/144
Número Hangar: SR01441

Douglas DC-6B (C-118) | FAB

Kit Minicraft, escala 1/144 de um dos cinco Douglas DC-6 utilizados pela FAB, todos ex-Varig, matriculados de 2412 a 2416, este representado pelo modelo. O 2416 (serial 43824) foi entregue novo para a Northeast Orient (N91304), foi vendido para a Panair (PP-YSN) e operou na Varig (com o mesmo prefixo) até ser vendido à FAB. Após a passagem pela força brasileira, foi vendido à Força Aérea do Paraguai (FAP), recebendo o registro T-89. Os C-118 eram usados no 2º/2º Grupo de Transporte em Manaus, no Amazonas, onde o 2414 foi perdido em acidente no dia 28.04.71.

O C-118 FAB2413 foi canibalizado em 1973 para fornecer peças aos demais que foram vendidos em 1975, fechando o ciclo de operações do modelo. As aeronaves, que foram repassadas para FAB em 1968, atuaram muito no Projeto “RONDON”, levando Universitários do projeto para à Região Amazônica.

Os Douglas DC-6 de primeira versão de produção (os “DC-6 puros”) foram produzidos até 1951, num total de 175 unidades. Destes, nenhum chegou a operar nas companhias brasileiras. Em 1948, entretanto, a Douglas começara a estudar a possibilidade de uma versão ampliada, com maior volume de cabine, carga útil e peso operacional, aproveitando para isso a disponibilidade dos novos e excelentes motores Pratt & Whitney Doublé Wasp C 16, de 2.400 hp. Que foram oferecidos com um sistema de injeção de água/metanol, para uso na decolagem. Permitindo um incremento sensível na potência.

Foi feito um novo alongamento da fuselagem, de 1,52 m, e a capacidade de combustível também foi ampliada, passando de 16.125 para 20.915 litros. Esta nova geração do DC-6 voou em 1949 e foi oferecida em duas variantes- DC-6 A, otimizado para carga (com assoalho reforçado e duas grandes portas do lado esquerdo, uma antes e outra atrás da asa), e o DC-6B, especifico para o transporte de passageiros. Ao todo foram produzidos 288 DC-6B, com o último sendo entregue em 10 de fevereiro de 1959, exatamente para a companhia brasileira Lóide Aéreo Nacional – cujos quatro DC-6 A, foram, assim, os últimos DC-6 a saírem das linhas de montagem da Douglas.

Abaixo, dados da vida operacional deste DC-6:

43824 | 299 | N91304 | Western AL | 15.12.52 | DC-6B

Northwest Orient AL 59
International Air Svcs 25.08.61
REAL SA NTU
PP-YSN VARIG 08.61
2416 Brasilian Air Force 68
T-89 Paraguan AF 06.75
4002 Paraguan AF rr 80

Aeronave: Douglas DC-6B 
Operador & Registro: Força Aérea Brasileira | FAB2413 | C-118
Kit: Minicraft
Escala: 1/144
Número Hangar: SR00960

Embraer Ipanema 201 | FAB

Este kit é um Ipanema baseado no kit da fabricante brasileira Elaga. Excelente kit, foi convertido para representar a primeira geração do Ipanema, o 201. Lindo kit, excelente trabalho, esse é único no mundo! O Ipanema EMB-201 foi fabricado pela Embraer e adquirido pela FAB em 1976 para ser utilizado como rebocador de planadores na AFA – Academia da Força Aérea em Pirassununga. Trabalho Edno Tsukamoto.

Aeronave: Embraer 201 Ipanema | U-19
Operador & Registro: FAB | 1053
Kit: Elaga
Escala: 1/72
Número Hangar: SR01141