Lockheed SC-130E Hercules | FAB

Kit Minicraft, com decais customizados para a Força Aérea Brasileira, FAB, na versão SAR (Search & Rescue) que operou no Recife (Pernambuco), entre oa anos de 1971 a 1985.

Aeronave: Lockheed SC-130E Hercules
Operador & Registro: Força Aérea Brasileira | FAB2409
Kit: Minicraft
Escala: 1/144
Número Hangar: SR01469

F-104G Starfighter | Greece AF

Miniatura na escala 1/72 da Herpa Wings com a pintura especial do último voo do F-104G da Força Aérea da Grécia, nas cores do Monte Olimpo (Mount Olympus), ocorrido em 31.03.1993.

Aeronave: Lockheed F-104G Starfighter 
Operador & Registro: Greece AF
Kit: Herpa Wings
Escala: 1/72
Número Hangar: SR01323

Lockheed Electra II | Braniff

Este é o Lockheed L-188 Electra II nas cores clássicas da Braniff International, em tons pastel, de meados dos Anos 60, quando a empresa lançou a campanha “The End of the Plain Plane”. Os Electra II começaram a voar com a Braniff nas cores antigas e uma das aeronaves da companhia (o gêmeo N9705C) se acidentou na famosa série que deu origem às modificações estruturais que culminaram com o renascimento do Electra II.

Esta aeronave representada pelo modelo, o N9704C, serial 1086 (o 222 L-188 construído) voou pela primeira vez em 1959 e foi destruída em um acidente no Peru em 24.12.1971, quando já havia sido vendida para a LANSA. Naquela véspera de Natal, voando em uma tempestade, teve um raio na asa direita que, após pegar fogo, separou-se do avião, que caiu com as 91 pessoas que estavam a bordo. Foi o segundo maior acidente com um Electra na época.

O modelo é em metal, da Aviation200 na escala 1/200. Belíssimo trabalho da marca, pintura e detalhes muito bons. Tenho mais dois Electra da marca, um Varig e um KLM, já postados.

Aeronave:Lockheed L-188 Electra II
Operador & Registro: Braniff International | 
Kit: Aviation 200
Escala: 1/200
Número Hangar: SR00705

Lockheed Super Constellation | TAP

Kit Minicraft, escala 1/144, com decais Classic Airliners do Lockheed L-1049G Super Constellation serial 4616, prefixo CS-TLA, batizado de Vasco da Gama, que operou nas cores da TAP – Transportes Aéreos Portugueses entre 08.08.1955 e 31.10.1967.

Inicialmente operado sem radar, recebendo-o apenas em 1961. Foi o último da frota a ter o equipamento instalado. Encomendado novo de fábrica e entregue em 07.1955 junto com o CS-TLB, sem radar e sem tanques nas pontas das asas. Ao ser retirado de uso pela empresa, participou da Guerra de Biafra e, mais tarde, foi preservado em Faro por alguns anos, sendo usado como restaurante, até ser destruído por vândalos em 1999 (vejam mais sobre isso no link ao fim do texto).

A HISTÓRIA DOS CONSTELLATION NA TAP

Em Dezembro de 1953, a primeira administração da nova TAP S.A.R.L, depois da transformação do anterior serviço público designado por Transportes Aéreos Portugueses, apressou-se a promover um estudo visando a remodelação da frota da empresa, com vista a poder oferecer um serviço de transporte aéreo moderno, de qualidade e compatível com as necessidades crescentes da linha de África, onde ainda operava com o velho e obsoleto “Dakota”. A reconversão dos velhos “Skymaster” adquiridos à KLM, foi uma medida transitória, entretanto decidida, enquanto se procediam a esses estudos para a selecção de um avião moderno para o longo curso.

Havia urgentemente que aumentar a capacidade, reduzir os tempos de voo e melhorar a qualidade do serviço. Foi assim, que a TAP encomendou à Lockheed três “Super Constellation L1049G”, também conhecidos na gíria aeronáutica por “Connie’s”, entretanto entregues na sua fábrica de Burbank (Califórnia), em Agosto e Setembro de 1955 (CS-TLA, CS-TLB e CS-TLC). Para a TAP iniciava-se a era dos “Super”, um salto qualitativo importante, já que cada novo avião significava em tonelagem e capacidade de transporte o correspondente a dois “Skymaster” ou quatro “Dakota”.

Após terem efectuado alguns voos de instrução em Lisboa, entraram ao serviço comercial da TAP a 27 de Novembro de 1955 na linha Lisboa – Luanda (que passou de 22 horas de voo para 15) e Lourenço Marques (22 em vez de 31), numa frequência bissemanal. Em Junho de 1958 um L1049H (CS-TLD) foi recebido da Seabord & Western americana, para operar durante um ano. Esta versão, basicamente idêntica ao modelo “G”, possuía a fuselagem da versão cargueira militar modelo 1049F, o chão da cabina era reforçado para utilização de carga e um peso em vazio bastante superior.

A aquisição de dois L1049-G em segunda mão em Maio de 1961 (CS-TLE e CS-TLF) permitiram à TAP adicionar novas rotas e outros destinos a este equipamento. De salientar a particularidade destes aviões virem munidos com radar de tempo, que lhes acrescentou um nariz mais comprido, e tanques suplementares nas pontas das asas (os “tip-tanks” como são vulgarmente conhecidos estes apêndices). O nariz alongado incorporando o radar de tempo foi mais tarde introduzido nos três primeiros aviões da empresa, aumentando a sua segurança e operacionalidade.

Finalmente a 14 de Setembro de 1967 pelas 17:35 locais, chegou a Lisboa proveniente do Rio de Janeiro o último voo do “Super Constellation” na TAP, o CS-TLC, tendo sido de imediato vendidos a um “broker” americano de Miami, a International Aerodyne Incorporated. Assim se fez a história dos Super Constellation na TAP, a “era da hélice” como muitos lhe chamaram, o avião que marcou sem sombra de dúvida uma geração que dificilmente será esquecida.

Na TAP, para os seus pilotos o avião recebeu a alcunha de “rebelde”, pois dificilmente se deixava domar!

Aeronave:Lockheed L-1049G Super Constellation
Operador & Registro: TAP | CS-TLA
Kit: Minicraft
Escala: 1/144
Número Hangar: SR00994

Lockheed Super Constellation | Lufthansa

Lockheed L-1049G Super Constellation, serial 4603, prefixo D-ALEM, que operou nas cores da Lufthansa entre 29.04.1955 e 09.03.1967, quando efetuou seu último voo pela empresa.

Foi sucateado em Hamburgo em 18.04 do mesmo ano, especialmente por questões de segurança relacionados à fadiga em longarinas das asas.

Este é um Constellation importante na história por ter sido a aeronave do primeiro voo transatlântico da Lufthansa, em 08.06.1955, na rota Hamburg-New York, via Dusseldorf e Shannon, que os L-1049G cobriam três vezes por semana. Como a aeronave original não existe mais, outro Connie encontra-se preservado em Munich, na Alemanha com o prefixo D-ALEM (trata-se do F-BHML, ex Air France).

Kit Revell, escala 1/144, com decais originais e pintura (radome).

Aeronave:Lockheed L-1049G Super Constellation
Operador & Registro: Lufthansa
Kit: Revell
Escala: 1/144
Número Hangar: SR00942