Douglas DC-7C | KLM

dc-7c seven seas | KLM

O Douglas DC-7 tinha o nome de Seven Seas em razão de seu grande alcance, capaz de cruzar Oceanos. Ele foi um avião quadrimotor a pistão, fabricado na década de 1950 pela companhia norte-americana Douglas em Santa Monica, California em um design que sucedeu o DC-6B. Foi o último grande avião quadrimotor a pistão fabricado pela Douglas, como também um dos primeiros aviões capaz de cruzar o Atlântico Norte sem escalas. Seu primeiro voo aconteceu no dia 18.05.1953.

O modelo surgiu quando a American Airlines solicitou junto ao fabricante um avião com maior capacidade e autonomia que o DC-6. No entanto, curiosamente, o primeiro modelo foi entregue para a Pan American. Trata-se de uma evolução mista entre o Douglas DC-4 e Douglas DC-6. As asas derivavam do DC-4, na mesma envergadura, com uma fuselagem bem maior e motores Wright Turbo Compound RR-3350, que lhe garantiam uma velocidade de Cruzeiro de 550 km/h e um alcance de 5.810 km, com 100 passageiros.

Com 338 unidades fabricadas até 1958, o DC-7 foi um desbravador voando em rotas entre os Estados Unidos e Europa e Ásia, mas logo ofuscado pela chegada dos jatos, o Comet, Caravelle, Boeing 707 e DC-8. Os modelos novos foram encomendados e entregues para: Alitalia, American Airlines, BOAC, Braniff Airways, Caledonian Airways, Delta Air Lines, Eastern Air Lines, Japan Airlines, KLM, Mexicana de Aviación, National Airlines, Northwest Orient, Panair do Brasil, Pan American World Airways, Sabena, SAS, South African Airways, Swissair, Turkish Airlines, Transports Aériens Intercontinentaux e United Airlines.

Entre 1957 e 1965 o tipo foi operado no Brasil pela Panair, num total de 6 unidades, 2 recebidos novos da fábrica. Sofre um um total de 79 acidentes e incidentes em suas muitas décadas de operação (1953-1988), com um total de 714 fatalidades.  No Brasil, em 01.11.1961, a aeronave DC-7C prefixo PP-PDO estava voando da Ilha do Sal para Recife quando caiu em uma colina a 2,7 km do aeroporto, em acidente atribuído a um erro do piloto, que custou a vida de 88 pessoas.

O Douglas DC-7C Seven Seas prefixo PH-DSE (serial 45184, line #816) foi operado pela empresa Holandesa KLM, que possuía um total de 15 modelos do tipo, sendo vendido em 11.12.1969 como cargueiro para a Irlandesa Air Turas (EI-ATT) e, depois, em 08.1971 para a Affretair (TR-LQC) do Gabão. Foi retirado de uso e visto pela última vez em Salisbury, Rhodesia, em 1973.

Saiba mais sobre o DC-7 clicando AQUI.

O modelo mostrado neste post é um Revell, na escala 1/122, lançado pela primeira vez em 1955 com a pintura da American Airlines, kit H-219-98. Foi lançado sucessivas vezes até 2005 pela Revell, além de outras empresas, como a Lodela no México e a Kikoler-Revell no Brasil. É um modelo extremamente simples, mas que fica muito bonito montado, como se pode ver. Foi montado com a pintura de entrega do PH-DSE em 31.05.1957.

dc-7c seven seas | KLM

dc-7c seven seas | KLM

dc-7c seven seas | KLM

Aeronave:  Douglas DC-7 Seven Seas
Operador & Registro: KLM | PH-DSE
Kit: Revell
Escala: 1/122
Número Hangar: SR01593

P-47D Thunderbolt MK.I | RAF

Republic P-47 Thunderbolt, kit Revell (código 5261), na escala 1/48, com decais brasileiros do Leonardo Prado (LPS Hobby – LPM48-04 – British Thunderbolts). Esse avião está nas cores da Royal Air Force (RAF), a força aérea inglesa, onde era conhecido como Thunderbolt MK.I. Ostenta o código HD176 (White 36) e era um P-47D-22-RE, Serial 42-26231, fornecido pelos Estados Unidos que lutou na 73 OTU, em Fayid no Egipto ao final de 1944 e início de 1945.

O kit da Revell é antigo, o molde é de 1967. Atualmente, a versão vendida aqui nos Estados Unidos por 16 dólares é injetada na China e possui versões da 8ª e 9ª Forças Aéreas do Exército Americano, na Inglaterra, durante o fim da Segunda Guerra Mundial. É um bom kit.

Foi construído totalmente OTB (out of the box), ou seja, sem adição de detalhes extras, exceto as antenas, feitas com plástico estirado do próprio kit. Recomendo este kit, pois com pouco trabalho, se transforma em um excelente P-47 Razorback, como era conhecida esta versão. A FAB não usou operacionalmente este modelo e teve apenas uma unidade, que foi usada na escola de cadetes em Guaratinguetá, São Paulo, no final dos anos 40/50.

Os decais usados são da LPS Hobby, do meu amigo Leonardo Prado (a quem agradeço) que enviou alguns de seus sets mais recentes militares nas escalas 1/48 e 1/72 para que eu fizesse um review. Entre sets de P-47 (bolha ou razorback) e Mustangs em ambas as escalas, optei por usar o set LPM-48-04, que custa 15 dólares e tem três versões de aeronaves do 73 OTU no Egito: este razorback e dois com capota bolha, incluindo a aeronave do comandante, o famoso Black Thunderbolt, todo preto com faixas vermelhas, o KJ348.

Foi o primeiro kit que montei nos Estados Unidos.

Aeronave: Republic P-47D Thunderbolt MK.I
Operador & Registro: Royal Air Force (RAF) | HD176
Kit: Revell
Escala: 1/48
Número Hangar: SR01760

AMD Mirage IIIEA | FAA

Este avião está em um diorama, uma representação que mostra a aeronave em condições reais. Nele está o Mirage IIIEA da Fuerza Aerea Argentina de código I-014, que esteve entre os primeiros a entrar em combate no dia 1º de maio de 1982, nas mãos do 1º Tenente Roberto Yebra.

Kit Revell 1/72 com a base Airfix de um set que vem com o Harrier GR.3. Os soldados e pilotos vem de diversos sets e o trator é de metal, comprado nos EUA. Faz parte de um conjunto de dois dioramas, sendo o outro do R.M.S Atlantic Conveyor, que participou da campanha das Falklands/Malvinas em 1982. O segundo diorama mostra parte do deck deste cargueiro com dois Harrier’s GR3, um Sea Harrier FRS.1 e um Wessex entre vários containeres.

Fiz em 2012 para a comemoração de 30 Anos da Guerra das Malvinas/Falklands. Este diorama ganhou medalha de prata no 17 Open GPC de Campinas em 2012.

Aeronave: AMD Mirage IIIEA
Operador & Registro: Fuerza Aerea Argentina (FAA) | I-014
Kit: Revell
Escala: 1/72
Número Hangar: SR00513

Airbus A380-800 | Emirates

Um gigante dos ares, no qual tenho mais de 60 voos. Somente no A6-EDA voei três vezes. O Airbus A380 da Emirates é meu “local de trabalho” mês sim, mês não. Esse é um kit Revell, 1/144 by Guick. Airbus A380-861 da Emirates, prefixo A6-EDA, o primeiro recebido por eles, em 29.07.2008. Possui serial 011, usa motores GP7270 e transporta 499 passageiros com muito luxo e requinte.

Aeronave: Airbus A380-800
Operador & Registro: Emirates | A6-EDA
Kit: Revell
Escala: 1/144
Número Hangar: SR01003

Boeing 747-132SF | Flying Tigers

Belo kit Revell, na 1/144, representando o Boeing 747-132SF, cargueiro que operou nos Anos 70 e 80 (vejam foto real abaixo), serial 19897, o 747 de número 82 na linha de montagem que foi operado pela primeira vez pela Delta em 1970. Foi convertido em CARGO em 1977 e operou pela Flying Tigers, El Al, fedex, Air Hong Kong, Polar Air Cargo e foi desmontado em 2001. Desde que vi numa capa da Flap dos Anos 80, desejei ter um kit assim. Pelo mestre dos 747, Osni Vieira.

Aeronave: Boeing 747-123F
Operador & Registro: Flying Tigers | N803FT
Kit: Revell
Escala: 1/144
Número Hangar: SR01041