Grumman F6F-3 Hellcat | US Navy

F6f-3 Hellcat | US Navy

O Grumman F6F Hellcat era um caça embarcado em porta-aviões fabricado nos EUA, utilizado na Segunda Guerra Mundial, tendo sido concebido para substituir o F4F Wildcat na Marinha dos Estados Unidos. Mesmo com aparência semelhante ao Wildcat, era um projeto totalmente novo, equipado com o motor radial a pistão Pratt & Whitney R-2800, o mesmo motor dos caças Vought F4U Corsair e do Republic P-47 Thunderbolt.

O Hellcat, considerado inicialmente por alguns analistas como o “irmão maior do Wildcat”, era um caça embarcado resistente e bem projetado, que enfrentou o Mitsubishi A6M Zero desde 1943 e ajudou a estabelecer a superioridade aérea norte-americana na frente do Pacífico.

O design do F6F era tão simples e eficiente que o Hellcat foi o projeto menos modificado durante a guerra, com um total de 12.275 unidades produzidas em pouco mais de dois anos. Aos Hellcats foram atribuídos 5.223 aviões inimigos derrubados, durante seu serviço com a US Navy e os Marines (Fuzileiros Navais dos Estados Unidos), além da Aviação Naval Britânica. Este número é o maior entre qualquer caça aliado, com seu competidor mais próximo era o P-51 Mustang da USAAF, que derrubou 4.950 aeronaves rivais na frente européia.

O F6F Hellcat foi um sucesso tremendo e participou de quase todas as grandes batalhas do Pacífico, exceto Midway, obtendo êxito em todas elas. Abateu um grande número de aviões japoneses. Apenas o P-38 Lightning derrubou mais caças nipônicos que o Hellcat. O caça permaneceu em serviço até 1954, principalmente como caça noturno.

Teve apenas duas versões principais: o F6F-3 e a F6F-5. Seu motor, um Pratt & Whitney R-2800-10W de 18 cilindros, conferia ao avião uma velocidade máxima de 605 km/h, a uma potência de 2.200hp, uma das maiores da guerra. Era o mesmo motor das B-29 SuperFortress. Com uma razão de subida bem mais alta que a de outros aviões americanos, o Zero finalmente perdeu para o Hellcat, a posição de melhor caça do Pacífico.

O kit representa um F6F-3 Hellcat do Esquadrão VF-9 tal como existiu em Julho de 1945, quando serviu a bordo do USS Lexington, o segundo porta-aviões com este nome (CV-16), pouco antes do esquadrão receber a identificação branca na cauda. O esquema de cores “Global Glossy Sea Blue” se tornou padrão para a US Navy logo após o primeiro F6F-5 ser entregue. Os Hellcats mais antigos logo seguiram este esquema de pintura, mesmo os que não eram caças noturnos.

Os japoneses se referiam ao USS Lexington como um navio “fantasma”, por sua tendência de reaparecer depois de, supostamente, ter sido afundado. Isso, juntamente com o esquema de camuflagem azul escuro do navio, levou ao navio o nome de “Fantasma Azul”, tal como seus caças Hellcat.

F6f-3 Hellcat | US Navy

F6f-3 Hellcat | US Navy

F6f-3 Hellcat | US Navy

F6f-3 Hellcat | US Navy

F6f-3 Hellcat | US Navy

F6f-3 Hellcat | US Navy

F6f-3 Hellcat | US Navy

Aeronave:  Grumman F6F-3 Hellcat
Operador & Registro: US Navy | #30
Kit: 21st Centrury (609)
Escala: 1/48
Número Hangar: SR01032

P-47D Thunderbolt MK.I | RAF

Republic P-47 Thunderbolt, kit Revell (código 5261), na escala 1/48, com decais brasileiros do Leonardo Prado (LPS Hobby – LPM48-04 – British Thunderbolts). Esse avião está nas cores da Royal Air Force (RAF), a força aérea inglesa, onde era conhecido como Thunderbolt MK.I. Ostenta o código HD176 (White 36) e era um P-47D-22-RE, Serial 42-26231, fornecido pelos Estados Unidos que lutou na 73 OTU, em Fayid no Egipto ao final de 1944 e início de 1945.

O kit da Revell é antigo, o molde é de 1967. Atualmente, a versão vendida aqui nos Estados Unidos por 16 dólares é injetada na China e possui versões da 8ª e 9ª Forças Aéreas do Exército Americano, na Inglaterra, durante o fim da Segunda Guerra Mundial. É um bom kit.

Foi construído totalmente OTB (out of the box), ou seja, sem adição de detalhes extras, exceto as antenas, feitas com plástico estirado do próprio kit. Recomendo este kit, pois com pouco trabalho, se transforma em um excelente P-47 Razorback, como era conhecida esta versão. A FAB não usou operacionalmente este modelo e teve apenas uma unidade, que foi usada na escola de cadetes em Guaratinguetá, São Paulo, no final dos anos 40/50.

Os decais usados são da LPS Hobby, do meu amigo Leonardo Prado (a quem agradeço) que enviou alguns de seus sets mais recentes militares nas escalas 1/48 e 1/72 para que eu fizesse um review. Entre sets de P-47 (bolha ou razorback) e Mustangs em ambas as escalas, optei por usar o set LPM-48-04, que custa 15 dólares e tem três versões de aeronaves do 73 OTU no Egito: este razorback e dois com capota bolha, incluindo a aeronave do comandante, o famoso Black Thunderbolt, todo preto com faixas vermelhas, o KJ348.

Foi o primeiro kit que montei nos Estados Unidos.

Aeronave: Republic P-47D Thunderbolt MK.I
Operador & Registro: Royal Air Force (RAF) | HD176
Kit: Revell
Escala: 1/48
Número Hangar: SR01760

Douglas SBD Dauntless | US Navy

Este foi o primeiro kit a ser finalizado em 2013. É também um avião que representa do Douglas SBD Dauntless, que foi o primeiro kit que montei na vida, em 1978.

Na Segunda Guerra Mundial, 5.936 bombardeiros de mergulho Dauntless foram construídos entre 1940 e 1944. A sigla SBD (“Scout Bomber Douglas”) designava o modelo, que viu todas as principais batalhas da 2ª Guerra e foi substituído pelo Curtiss Helldiver. Voou de bases terrestres e porta-aviões. O Dauntless que este kit representa voava do USS Lexington em 1943. Os Dauntless voaram 1.189.473 horas operacionais, cerca de 25% das horas operacionais de aviões baseados em porta-aviões durante a Guerra.

O kit é um Testors na 1/72 que comecei em 2007 e ficou parado desde então. Resolvi terminar após a construção do Helldiver, no fim de dezembro. Não tinha detalhe algum, os freios foram pintados e o mesmo eu fiz com as baías do trem de pouso.

Aeronave: Douglas SBD Dauntless
Operador & Registro: US Navy | #32
Kit: Testors
Escala: 1/72
Número Hangar: SR00581

F4U-1D Corsair | US Navy

Terceiro modelo de 2013. Na realidade este é um die-cast da Easy Model. Sempre tive vontade de pegar um kit destes e detalhar. Fiz desgastes, antenas, pintei os trens e cubo das rodas (que eram prata), foguetes e coloquei stencils. Resolvi começar com este Corsair para colocá-los junto com os demais aviões do fim da Guerra do Pacífico.

O Corsair teve produção iniciada em 1942 e operou desde então com a Navy e os Marines, seja de terra ou dos porta-aviões. Sua visão era inconfundível, com o perfil de asas de gaivota invertida, necessária para dar altura ao avião, com sua enorme hélice. No total, 12.681 foram construídos.

Este é dos Marines, Esquadrão VMF-312 que tinha como característica marcante sua pintura xadrez (checkerboard) no motor e cauda. O Esquadrão tinha o apelido de “Day’s Knights” em homenagem ao Major Richard M. Day, mas se tornou conhecido como “Checkerboarders”. Os Marines comissionaram o Fighting Squadron 312 (VMF-312) no Page Field, Parris Island, South Carolina em 1º de junho de 1943 e ele continua ativo hoje como VMFA-312voando F/A-18.

O #530 operou em Okinawa em 1945.

Aeronave: Vought F4U-1D Corsair
Operador & Registro: US Navy | #530
Kit: Easy Model
Escala: 1/72
Número Hangar: SR00411

Grummam Avenger | US Navy

Peguei um Avenger antigo, montado em 1995, com as cores de uma aeronave do USS Yorktown e fiz um Check D (reforma geral), com a pintura de uma aeronave do porta-aviões USS Shangri-La, CV-38 (Classe Essex). O White 90 também participou da campanha de Okinawa com o Air Group 85 (VB-85), que possuía Helldiver’s, Avenger’s e Corsair’s. Kit Airfix, de 2013.

Aeronave:  Grummam Avenger
Operador & Registro: US Navy | White 90
Kit: Airfix
Escala: 1/72
Número Hangar: SR0410